Bons videos!
Tenho visto alguns inclusivé do Padre Fábio Mello.
Côrte a 4 de Fevereiro de 2012 às 23:19

Esse tal de padre Fábio é tido como uma das personas non grata no mundo conversador, que o acusa de ser um progressista e modernista. Bem, este padre Paulo Ricardo também é, segundo me apercebi, do movimento carismático, mas o que interessa verdadeiramente é a defesa da Verdadeira Fé e da Verdadeira Religião. E neste aspecto julgo que ninguém lhe pode apontar o dedo. O homem fala muito bem e possui um conhecimento tremendo da Bíblia.
FireHead a 5 de Fevereiro de 2012 às 23:56

Progressista e modernista? Em que aspecto?
Estes conheço-os da canção nova e volta e meio ouço as pregações deles que são excelentes. Sei que eles são carismáticos, mas isso significa o que no contexto que falou se trata dessa tal ala mais progressista? Sei que existe a ala conservadora (ortodoxia) e os carismáticos são mais progressistas como? O que os caracteriza? Têm algum link ou doc elucidativo para eu poder evoluir nesse assunto (documentação séria e imparcial)?
Se não for incomodo, e caso tenha link ou outra info, pode enviar para o e-mail que coloquei na mensagem?

Obrigado!

Côrte
Anónimo a 6 de Fevereiro de 2012 às 16:13

Boas, Côrte!

Sabe, eu tive alguma formação conservadora (Montfort e Veritatis Splendor) e sei que os grupos conservadores não gramam muito o Movimento Carismático Católico, que acusam de ser modernista e progressista. Cheguei a fazer parte do movimento da Comunhão e Libertação de D. Giussani e constatei que os conservadores também o acusam de ser modernista.

Eu pessoalmente não tenho nada contra os carismáticos. O normal é haver discordâncias e discrepâncias entre diferentes grupos (mesmo entre os conservadores Opus Dei e Fraternidade São Pio X, por exemplo, existem desentendimentos), mas o que importa mesmo é estarem todos unidos na Fé e sobretudo na sua defesa, pois há coisas em comum das quais estamos perfeitamente de acordo, como na aceitação dos dogmas. Aliás, se há algo que eu valorizo imenso nos carismáticos é a sua capacidade e eficiência na recuperação de fiéis contra as seitas. No Brasil, padres como o Jonas Abib, o padre Zézinho ou o padre Marcelo Rossi (da velha guarda) são responsáveis pelo regresso ao Catolicismo de milhares e milhares de ex-protestantes, e isso é óptimo e de valorizar. E o padre Paulo Ricardo é excelente.

Se quiser, eu posso indicar-lhe alguns sites de apologética católica que são excelentes.
FireHead a 6 de Fevereiro de 2012 às 17:39

Sim conheço o veritatis splendor ... obrigado pela "dissertação"! Depois posso também procurar na net ...
Mas o termo modernista e progressista tem a ver exactamente com que? Com o facto de terem uma atitude mais proselitista que a ortodoxia (se é que têm eu não sei!), pela questão dos canticos inseridos nos eventos com instrumentos acústicos e eléctricos, concertos e tal?
Porque a doutrina é a mesma, são católicos só que com uma vertente mais mística (correcto o termo?) falam em línguas e têm uns cerimoniais (que eu não gosto ) ... e tal? Terá a ver com estas caracteristicas (e talvez outras que não conheço!)

Cumprimentos

Côrte
Anónimo a 6 de Fevereiro de 2012 às 22:27

Eu sinceramente não estou muito dentro do assunto acerca do modernismo e do progressismo, mas nas minhas deambulações pela Montfort apercebi-me que estes, os da Montfort, acusam os carismáticos de práticas anti-bíblicas, como essa tal coisa do dom das línguas. Para os montfortianos, os carismáticos trabalham para o protestantismo dentro da Igreja Católica. Pessoalmente também vejo os carismáticos como os "protestantes católicos", pois eles parecem usar as mesmas "armas" e métodos que os protestantes (afinal de contas, o movimento carismático significa precisamente neopentecostalismo católico). Contudo, eu neste aspecto não sou tão radical desde que eles não traiam a Cristo e, em boa verdade, eles com essas "armas" combatem os protestantes.
Quando eu penso no modernismo e no progressismo na Igreja, lembro-me das coisas mundanas, as coisas dos homens. Nós não nos fartamos de ouvir constantemente as pessoas dizerem que a Igreja devia adaptar-se aos tempos actuais, tipo insinuando que a Igreja deveria modernizar-se e deixar de ser "retrógrada"? Tipo que a Igreja devia começar a permitir o casamento dos padres, a ordenação das mulheres ou aceitar os contraceptivos? Ora, essas coisas são modernismos para mim. A Igreja é divina e ela é o meio essencial para a nossa salvação, não o mundo. Portanto não é a Igreja que tem de se adaptar ao mundo, mas sim o contrário.
FireHead a 6 de Fevereiro de 2012 às 23:08

Já ouvi essa conversa sim de a igreja se adaptar aos tempos modernos e tal, e mais do que uma vez. Na altura aquilo mexeu comigo, no sentido que, do que me foi ensinado e daquilo que consegui aprender pela leitura e pelo espírito, deve ser ao contrário. Principalmente nos tempos que correm onde existe tanta (desculpe o termo) "putaria" a todos os níveis (sem radicalismos, falo de todo o tipo de idolatria!).

Côrte
Anónimo a 6 de Fevereiro de 2012 às 23:18

É verdade, caro Côrte. Mas todos nós sabemos muito bem que fora da Igreja Católica não há salvação, tal como fora da arca de Noé ninguém se salvou do dilúvio. Só é pena dentro de toda essa p... se incluírem os pseudo-cristãos que não seguem a Igreja Católica, a única Igreja fundada por Cristo. Como muito bem disse o Pe. Paulo, os protestantes beijam Cristo na testa e depois apunhálam-nO no bucho e faltam ao respeito para com a Sua (nossa) Santa Mãe. Todos esses ataques gratuitos dos protestantes e dos demais gnósticos idolátricos à Santa Igreja não passarão impunes.
FireHead a 7 de Fevereiro de 2012 às 23:14