«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
23
Abr 12
publicado por FireHead, às 00:28link do post | Comentar

Quando Católicos e protestantes falam sobre a Bíblia, os dois grupos actualmente possuem dois livros diferentes.

No século XVI, os reformadores protestantes removeram uma parte do Antigo Testamento que não era compatível com a sua teologia. Diziam que estes livros não eram inspirados e os chamaram de "apócrifos".

Os Católicos referem-se a eles como "Deuterocanónicos" (pois foram disputados por alguns autores e a sua canonicidade foi estabelecida mais tarde que o resto), enquanto que os demais livros são chamados de "Protocanónicos" (a sua canonicidade foi estabelecida primeiro).

Seguindo o argumento protestante sobre a integridade da Bíblia, a Igreja Católica reafirmou a inspiração divina dos livros deuterocanónicos no Concílio de Trento em 1546. Fazendo isto, ela reafirmou o que já havia sendo crido desde os tempos primitivos.

 

 

Quem organizou o Antigo Testamento?

 

A Igreja não nega que existem alguns livros que são realmente "apócrifos". Durante a era da Igreja Primitiva, existiam manuscritos que supunham ser inspirados, mas não eram. Muitos chegaram até nós, como o "Apocalipse de Pedro" e o "Evangelho de Tomé", cujas igrejas Cristãs rejeitaram como não pertencendo às Escrituras.

Durante o primeiro século, os judeus discordavam sobre a constituição do cânone das Escrituras. De facto, havia muitos "cânones" sendo usados, incluindo livros usados por Cristãos. Para combater a disseminação do rito Cristão, os rabinos encontraram-se na cidade de Jâmnia em 90 d.C. para determinar quais os livros que continham as verdadeiras palavras de Deus. Pronunciaram-se afirmando que muitos livros, incluindo os Evangelhos, eram impróprios para serem considerados Escritura Sagrada. Este cânone também excluiu 7 livros (Baruc, Sirácida, 1 e 2 Macabeus, Tobias, Judite, Sabedoria de Salomão, e algumas porções de Daniel e Esther) que os Cristãos consideravam como parte do Antigo Testamento.

O grupo de judeus que estavam em Jâmnia tornou-se o grupo dominante no decorrer da história judaica, e hoje muitos judeus aceitam tal cânone. Entretanto, alguns judeus, como os da Etiópia, seguiam um cânone diferente, e idêntico ao cânone Católico do Antigo Testamento, pois incluíam os sete livros deuterocanônicos (cf. Enciclopédia Judaica, vol 6, p. 1147).

Não é necessário dizer que a Igreja não aderiu ao resultado de Jâmnia. Primeiro, um Concílio judaico após a época de Cristo não guarda ligações com os seguidores de Cristo. Segundo, Jâmnia rejeitou precisamente os documentos que constituíam a base da Igreja Cristã: os Evangelhos e outros documentos do Novo Testamento. Terceiro, rejeitando os deuterocanónicos, Jâmnia rejeitou livros que foram usados por Jesus e os apóstolos  e que estavam contidos na edição da Bíblia que os apóstolos usaram no dia-a-dia: a Septuaginta.

 

 

Os apóstolos e os deuterocanónicos

 

A aceitação pelos Cristãos dos deuterocanónicos era lógica porque estes estavam incluídos na Septuaginta, a versão grega do Antigo Testamento que os apóstolos usaram para evangelizar. Dois terços das citações do Antigo Testamento no Novo são oriundos da Septuaginta. Em nenhuma parte os apóstolos falaram aos seus discípulos ou convertidos para evitar estes sete livros ou alguma doutrina contida nele. Assim como os judeus pelo mundo que usam a versão da Septuaginta, os primeiros Cristãos aceitaram os livros encontrados nela. Sabiam que os apóstolos não iriam enganá-los ou arriscar as suas almas colocando falsas Escrituras nas suas mãos , especialmente não os avisando contra isto.

Mas os apóstolos não colocaram os deuterocanónicos nas mãos dos seus convertidos simplesmente como parte da Septuaginta. Eles regularmente citavam-nos nos seus escritos. Por exemplo, Hebreus 11 encoraja-nos a imitar os heróis do Antigo Testamento e no Antigo Testamento mulheres houve, até, que receberam ressuscitados os seus mortos. Alguns foram torturados, rejeitados, não querendo o seu resgate, para alcançarem melhor ressurreição (Hb 11,35).

Existem alguns exemplos de mulheres recebendo de volta os seus mortos pela ressurreição no Antigo Testamento protestante. Você pode achar Elias ressuscitando o filho da viúva de Sarepeta em 1 Reis 17, e você pode achar o seu sucessor Eliseu ressuscitando o filho da mulher sunamita em 2 Reis 4, mas uma coisa não se poderá achar em nenhum lugar no Antigo testamento protestante, do começo ao fim, de Génesis a Malaquias: alguém é torturado e rejeita o seu resgate para alcançarem melhor ressurreição. Querendo achar tal facto, deve procurar no Antigo Testamento da Bíblia Católica, justamente nos livros deuterocanónicos que Martinho Lutero retirou da sua Bíblia.

Esta história é encontrada em 2 Mac 7, onde lemos que durante a perseguição dos Macabeus, Aconteceu também que, tendo sido presos sete irmãos com sua mãe, o rei os queria obrigar a comer carne de porco contra a lei... os outros irmãos exortavam-se mutuamente com a sua mãe, a morrerem corajosamente, dizendo: "O Senhor Deus vê e consola-se em nós"... Morto deste modo o primeiro, levaram o segundo ao suplício... respondendo na língua dos seus pais, disse: Não! Pelo que este também padeceu os mesmos tormentos que o primeiro. Estando já para dar o último suspiro, disse desta maneira: "tu ó malvado, fazes-nos perder a vida presente, mas Deus, o Rei do universo, nos ressuscitará para a vida eterna, a nós que morremos, por fidelidade às suas leis" (2 Mac 7,1.5-9).

Os filhos morreram um por um, proclamando que eles serão recompensados pela ressurreição. Entretanto a mãe deles, sobremaneira admirável e digna de memória, vendo morrer os seus sete filhos em um só dia, suportou heroicamente a sua morte, pela esperança que tinha no Senhor. Cheia de nobres sentimentos, exortava, na língua dos seus pais, a cada um deles em particular, dando firmeza... Dizia-lhes: "não sei como fostes formados em meu ventre; não fui eu quem vos deu o espírito e a vida, ou que formei os membros do vosso corpo. O criador do mundo, que formou o homem no seu nascimento e deu a origem a todas as coisas, vos tornará a dar o espírito e a vida, por sua misericórdia, em recompensa do quanto agora vos desprezais a vós mesmos, por amor das suas leis". Diz o último irmão, Não temas este algoz, mas sê digno de teus irmãos, aceita a morte, para que eu te encontre com eles no dia da misericórdia (2 Mac 7,20-23.29).

Este é uma das referências do Novo Testamento aos deuterocanónicos. Os primeiros Cristãos reconheciam amplamente estes livros como Escrituras Sagradas, não somente porque os apóstolos os colocaram nas suas mãos, mas porque também se referiram a eles no próprio Novo Testamento, citando o que recordavam como exemplos a serem seguidos.

 

 

Os Padres da Igreja

 

A aceitação dos deuterocanónicos é evidente ao longo da história da Igreja. O historiador protestante J.N.D. Kelly escreve:

Deveria ser observado que o Antigo Testamento admitido como autoridade na Igreja era algo maior e mais compreensivo que o Antigo Testamento protestante... ela sempre incluiu, com alguns graus de reconhecimento, os chamados apócrifos ou deuterocanónicos. A razão para isso é que o Antigo Testamento que passou em primeira instância nas mãos dos Cristãos era... a versão grega conhecida como Septuaginta... a maioria das citações nas Escrituras encontradas no Novo Testamento são baseadas nelas preferencialmente do que a versão hebraica... nos primeiros dois séculos... a Igreja parece ter aceitado a todos, ou a maioria destes livros adicionais, como inspirados e trataram-nos sem dúvida como Escritura Sagrada. Citações de Sabedoria, por exemplo, ocorrem em 1 Clemente e Barnabé... Policarpo cita Tobias, e o Didache cita Eclesiástico. Irineu se refere a Sabedoria, a história de Susana, Bel e o dragão (livro de Daniel), e Baruc. O uso dos deuterocanónicos por Tertuliano, Hipólito, Cipriano e Clemente de Alexandria é tão frequente que referências detalhadas são necessárias (Doutrina Cristã Antiga, 53-54).

O reconhecimento dos deuterocanónicos como parte da Bíblia dada pessoalmente pelos Padres da Igreja também foi conferido por esses mesmos Padres como uma regra, quando se encontravam nos Concílios da Igreja. Os resultados dos Concílios são especialmente úteis porque não representam a visão de uma só pessoa, mas o que fora aceite pelos líderes da Igreja de todas as regiões.

O cânone das Escrituras, Antigo e Novo Testamento, foi fixado definitivamente no Concílio de Roma em 382, sob a autoridade do Papa Dâmaso I. E foi logo reconhecido por sucessivos Concílios, tanto regionais como gerais. O mesmo cânone foi firmado no Concílio de Hipona em 393 e no de Cartago em 397. O facto destes Concílios não serem "ecuménicos" não rejeita o facto das suas decisões não serem aceites como baseadas em verdade de fé. Em 405 o Papa Inocêncio I reafirmou o cânone numa carta ao bispo Exuperius de Toulouse. Outro Concílio de Cartago, este no ano de 419, reafirmou o cânone como os seus predecessores e pediu ao papa Bonifácio que  confirme este cânone, pois estes são o que recebemos de nossos pais para serem lidos na Igreja. Todos estes livros formavam a mesma Bíblia Católica actual, todos eles incluindo os deuterocanónicos.

Este mesmo cânone foi implicitamente confirmado no sétimo Concílio Ecuménico, o de Nicéia II (787), que aprovou os resultados do Concílio de Cartago de 419, e explicitamente reafirmou nos Concílios Ecuménicos de Florença (1442), Trento (1546), Vaticano I (1870) e Vaticano II (1965).

 

 

As acusações protestantes

 

Os deuterocanénicos mostram doutrinas da Igreja Católica, e por esta razão eles foram retirados do Antigo Testamento por Lutero e colocados como apêndice sem números de páginas! Lutero também retirou livros do Novo Testamento: Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse  e os colocou como apêndice, sem páginas, da mesma forma que os outros. Estes foram mais tarde recolocados de volta no Novo Testamento por outros protestantes, mas os sete livros do AT foram deixados. Em 1827, o British and Foreign Bible Society retirou também este apêndice, sendo este o motivo pelo qual não são encontrados nas Bíblias protestantes mais contemporâneas, apesar de ainda serem encontradas em traduções protestantes clássicas, como a King James Version.

A razão porque eles foram retirados é que ensinam doutrinas Católicas que os protestantes rejeitam. Acima citamos um exemplo onde a carta aos Hebreus nos mostra um exemplo do Antigo Testamento contido em 2 Mac 7, um incidente não encontrado em nenhuma Bíblia protestante, mas facilmente localizada na Bíblia Católica. Porque Lutero teria retirado este livro se ele claramente serviu de fonte para aquela parte do Novo Testamento? Simples: alguns capítulos mais adiante o livro apoia a prática da oração às almas dos mortos para que sejam purificados das consequências dos seus pecados (2 Mac 12,41-45); em outras palavras, a doutrina Católica do Purgatório. Desde que Lutero rejeitou o ensino histórico do Purgatório (que data de antes de Cristo, como mostra o livro de Macabeus), ele teve que retirar este livro da Bíblia e colocá-lo como apêndice (Note que ele também retirou Hebreus, o livro que cita 2 Macabeus, e o colocou também como apêndice).

Para justificar esta rejeição aos livros que estavam na Bíblia desde os tempos antes dos apóstolos (a Septuaginta foi escrita antes dos apóstolos), os primeiros protestantes recorreram ao facto de que os judeus daqueles dias não honraram tais livros, retornando assim ao Concílio de Jâmnia. Mas os reformadores estavam atentos apenas aos judeus europeus; não prestando a devida atenção aos judeus africanos, como os etíopes, que aceitavam os deuterocanónicos como parte da sua Bíblia. Eles censuraram as referências ao deuterocanónicos no Novo Testamento, assim como o seu uso da Septuaginta. Ignoraram o facto de que existiam múltiplos cânones judaicos circulando no primeiro século, apelando a um Concílio judaico pós-Cristão que não possuía nenhuma autoridade para com os Cristãos para se falar que "os judeus não aceitaram estes livros". Na verdade, foram longe tentar buscar algo que suportasse a rejeição a estes livros da Bíblia.

 

 

Reescrevendo a história da Igreja

 

Anos mais tarde eles até iniciaram a propagação do mito de que a Igreja Católica "adicionou" estes sete livros à Bíblia no Concílio de Trento.

Os protestantes também tentaram distorcer as evidências patrísticas em favor do deuterocanónicos. Alguns superficialmente afirmam que os Pais da Igreja não os aceitavam, enquanto outros fazem reivindicações comedidas que certos importantes pais, como Jerónimo, também não os aceitavam. É verdade que Jerónimo, e poucos e isolados escritores, não aceitavam alguns deuterocanónicos como inspirados. Entretanto, Jerónimo fora persuadido, contra a sua convicção original, a incluir os deuterocanónicos na sua edição Vulgata pelo facto de que os livros eram comumente aceites e era esperado que fossem incluídos em todas as edições da Bíblia. Além do mais, deve ser documentado que em anos mais tarde Jerónimo de facto aceitou certos deuterocanóônicos como inspirados. Na sua resposta a Rufino, ele defendeu bravamente as partes deuterocanónicas de Daniel mesmo que os judeus do seu tempo não o fizessem. Ele escreveu, Que pecado eu cometi se segui o julgamento da Igreja? Mas ele que traz acusações contra mim por relatar as objecções a que os judeus estavam acostumados a formar contra a história de Susana... e a história de Bel e o dragão, que não se acham nos volumes hebraicos, provam que ele é apenas um bajulador insensato. Eu não estava relatando a minha própria visão, mas antes as questões que eles (os judeus) estavam acostumados a fazer contra nós ("Contra Rufinus" 11,33 [402 d.C.]). Desta forma Jerónimo reconheceu o princípio pelo qual o cânone foi fixado: o julgamento da Igreja, não o dos judeus.

Outros escritores protestantes citam como objecção aos deuterocanónicos que Atanásio e Orígenes não os aceitavam. Ora, Atanásio aceitava o livro de Baruc (Festal Letter 39) e Orígenes aceitava todos os deuterocanónicos, mas simplesmente recomendava não os usar nos debates com os judeus.

Contudo, apesar de alguns disparates e hesitações de alguns escritores como Jerónimo, a Igreja permaneceu firme na sua afirmação histórica sobre os deuterocanónicos como inspirados e vindos com os apóstolos. O protestante J.N.D. Kelly afirma isto apesar da dúvida de Jerónimo.

Pela grande maioria, porém, os escritos deuterocanónicos atingiram o grau de inspirados com o máximo de senso. Agostinho, por exemplo, cuja influência no Ocidente foi decisiva, não fazia distinção entre eles e o resto do Antigo Testamento... a mesma atitude com ao apócrifos foi demosntrada nos Sínodos de Hipona e Cartago em 393 e 397, respectivamente, e também na famosa carta do Papa Inocêncio I ao bispo de Toulouse Exuperius, em 405 (Doutrina Cristã Antiga, 55-56).

Este é, portanto, um grande mito pelo qual os protestantes acusam os Católicos de terem "adicionado" os deuterocanónicos à Bíblia no Concílio de Trento. Estes livros estavam na Bíblia antes de o cânone pretender ser definido, o que ocorreu só em 380 d.C. Tudo o que Trento fez foi reafirmar, em face dos ataques protestantes à Bíblia Católica, o que tem sido a histórica Bíblia da Igreja: a edição padrão seria a Vulgata de Jerónimo, incluindo os deuterocanónicos!

 

 

Os deuterocanónicos do Novo Testamento

 

É irónico que os protestantes rejeitem a inclusão dos deuterocanónicos pelos Concílios de Hipona e Cartago, porque nestes Concílios da Igreja antiga também foram definidos os livros do Novo Testamento. Principalmente pelo ano 300 havia uma ampla discussão sobre que livros deveriam exactamente pertencer ao Novo Testamento. Alguns livros, como os Evangelhos, Actos e a maioria das cartas de Paulo foram rapidamente aceites. Contudo, alguns livros, mais notavelmente Hebreus, Tiago, 2 Pedro, 2 e 3 João, e Apocalipse permaneceram em ardente disputa até que o cânone foi fixado. São, de facto, "deuterocanónicos do Novo Testamento".

Enquanto os portestantes aceitam o testemunho dos Concílios de Hipona e Cartago (os Concílios que eles mesmos mais citam) para a canonicidade dos deuterocanónicos do Novo Testamento, não estão dispostos a aceitar o testemunho dos mesmos Concílios para a canonicidade dos deuterocanónicos do Antigo Testamento. É realmente irónico!

 

 

Fonte:Catholic Information Network

Tradução: Veritatis Splendor por Rondinelly Ribeiro


Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

16
17

22
28



Links
Pesquisar blogue
 
blogs SAPO