«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
17
Jun 12
publicado por FireHead, às 13:21link do post | Comentar

Por que os Católicos chamam os seus pastores de "padres" (pais) se a Bíblia diz: "Nunca chamem ninguém na terra de seu pai, pois apenas um é seu Pai e Ele está no Céu" (Mateus 23,9)?

 

Os Católicos chamam os seus pastores de "padres":

 

1) Porque é um pai espiritual para os Católicos

 

Porque ele é um pai espiritual para eles... Na infância, ele os baptizou e também foi o instrumento... a acção do seu renascimento pela água e pelo Espírito, semelhante ao pai físico, responsável pelo nascimento físico.

 

2) Ele dá o alimento espiritual

 

Ele lhes dá o alimento espiritual para as suas almas quando recebem o Corpo e Sangue de Cristo na Sagrada Comunhão: "Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida" (João 6,55).A provisão dos alimentos é outra obrigação do pai.

 

3) Também aconselha como um pai

 

Na Confissão, o pastor não apenas perdoa os pecados em nome de Cristo, mas também os aconselha para a melhor forma de sobreviver às dificuldades... espirituais e materiais. Isto tambem é um dever do pai.

 

4) Estar sempre ao lado

 

Igual a um pai, o pastor estará sempre ao lado do leito de morte de um Católico para o consolar e o assistir. Nenhum Católico gostaria de morrer sem um pastor - o seu pai espiritual- ao seu lado.

 

5) O padre não obriga ninguém a chamá-lo assim

 

Mas um pastor não obriga ninguém que lhe chame por este título. Os Católicos o chamam de "padre" como um sinal da afeição, como eles tratam os seus parentes naturais e também porque ele se parece com um pai pelos seus deveres e obrigações.

 

6) Outro uso da palavra "padre"

 

O Acordo de Crudens (que não é um acordo Católico), no início da citação sob a palavra "padre" diz: "Além do seu uso comum, esta palavra é também usada no sentido de senhores, de ancestrais, de fundadores de negócios ou profissões, de chefes de habitantes de uma vila etc."

 

7) Eiste algum homem que foi chamado pai na Bíblia?

 

A palavra "pai" é encontrada mais de 1000 vezes na Bíblia, e apenas a metade refere-se a Deus. As outras referem-se a seres humanos, que são chamados "pais".

 

8) Não era do interesse de Jesus que nenhum homem fosse chamado "padre" segundo os versículos bíblicos

 

Não era a intenção de Cristo que nenhum homem fosse chamado de "pai", pois em Mateus 23,1-3 Ele admoesta o povo para seguir os ensinamentos dos fariseus, mas não o seu exemplo: "Então falou Jesus às multidões e aos seus discípulos, dizendo: Na cadeira de Moisés se assentam os escribas e fariseus. Portanto, tudo o que vos disserem, isso fazei e observai; mas não façais conforme as suas obras; porque dizem e não praticam". De acordo com esses versículos, não deve ser seguido aquele que se afasta de Cristo. Cristo, Ele próprio, permitiu e usou a palavra para outros e não para Deus:

(a) Em João 4,12, Ele não corrigiu a samaritana que disse: "És tu, porventura, maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, do qual também ele mesmo bebeu, e os filhos, e o seu gado?"

(b) Em João 8,56, Ele mesmo usou o termo referindo-se a Abraão: "Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia; viu-o, e alegrou-se".

(c) São Paulo, seguindo o exemplo de Cristo, não tomou estas palavras no sentido literal: Ele chama os corintos de seus filhos espirituais: "Porque ainda que tenhais dez mil aios em Cristo, não tendes contudo muitos pais; pois eu pelo Evangelho vos gerei em Cristo Jesus" (1 Coríntios 4,15).

(d) II Corintios 12:14-15: "Com efeito não são os filhos que devem entesourar os pais, mais os pais para os filhos. De mui boa vontade darei o que é meu, e me darei a mim mesmo pelas vossas almas".

(e) São Paulo chama Timóteo de "Querido FILHO na fé" (1 Timóteo 1,2).

(f) São Paulo chama os coríntios de FILHOS: "Não escrevo estas coisas para vos envergonhar, mas para vos admoestar, como a filhos meus amados" (1 Coríntios 4,14).

(g) São Paulo fala aos filipenses que a prova da lealdade de Timóteo é encontrada no facto de que ele serviu a Paulo no Evangelho como um filho ao pai: "Mas sabeis que provas deu ele de si; que, como filho ao pai, serviu comigo a favor do Evangelho" (Filipenses 2,22).

(h) Também em 1 Tessalonicenses 2,11: "Assim como sabeis de que modo vos tratávamos a cada um de vós, como um pai a seus filhos..."

 

Então não podemos utilizar os termos se nós aderirmos à interpretação literal. Todos os títulos honoríficos seriam proibidos: juízes, senhores, presidentes, embaixadores etc. não poderiam ser chamados "Vossa Excelência". Os físicos não poderiam ser chamados de "Doutores" e os ministros não poderiam ser chamados de "reverendos". Nós não poderíamos chamar o nosso pai de "pai", pois não há excepções na interpretação literal. Nós não poderíamos usar a expressão "senhor" às pessoas comuns, pois ela é equivalente a "Senhor" quando nos referimos a Deus, pois o mesmo texto diz "eles também não poderão ser chamados de Senhor..."

 

Sobre o texto de São Mateus

 

Nem poderíamos utilizar o termo "mestre" aos homens, pois ele é equivalente a "Mestre" que significa "Senhor Deus". Desta forma, este texto de São Mateus não pode ser tomado literalmente, ou como uma lei geral. Os pastores Católicos não obrigam as suas ovelhas a chamá-los de "padres". Isto é para eles uma fonte de humildade em vez de orgulho, pois esse termo sempre lembra ao pastor das suas obrigações como um pai espiritual para o seu rebanho.

 

 

Prof. Carlos Nabeto


Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
14

23



Links
Pesquisar blogue
 
subscrever feeds
blogs SAPO