«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
11
Mar 12
publicado por FireHead, às 00:01link do post | Comentar
 

300 + 2.847 + 10.000. O resultado dessa soma é um registo da quantidade de fiéis Católicos reunidos, nesta semana, para apoiar o padre Paulo Ricardo de Azevedo Júnior, sacerdote da arquidiocese de Cuiabá (MT, Brasil) que, no dia 27 de Fevereiro, foi alvo de uma carta aberta difamatória assinada por 27 militantes marxistas que receberam o sacramento da ordem.

 

As manifestações de apoio ao padre começaram pelas redes sociais e, na quinta-feira, 08/03, em apenas uma hora, contabilizaram 2.847 menções importantes no Twitter de acordo com o site Analytics Topsy. A ferramenta informa o número e a influência de poderosas acções em 140 caracteres comuns em protestos políticos, na divulgação de marcas e em manifestações populares nas quais cada indivíduo com uma conta na rede Twitter expressa o seu sentimento sobre um tema do momento.

 

Além das menções, no Twitter, 10 mil pessoas participaram de um abaixo-assinado, também electrónico e pelo menos outras 300 estiveram reunidas, fisicamente, no Santuário Eucarístico Nossa Senhora do Bom Despacho, em Cuiabá, para rezar pelo padre, o primeiro sacerdote Católico a experimentar a força das redes sociais, no Brasil.

 

O padre que deixa as redes sociais em polvorosa, no país (Brasil), não é nenhuma celebridade acostumada a dar autógrafos. Ele não canta, não é bonitão, nem escreve livros de auto-ajuda ou apresenta programas diários no rádio ou na TV. Padre Paulo Ricardo, um careca de aproximadamente 1,90 metros, é o que o Vaticano chama de webpastor, uma figura facilmente encontrada no Google, sempre presente no YouTube e, o mais importante, um homem de fácil diálogo com uma comunidade de fiéis que em nada se confundem com fãs à espera da próxima dose de emoção oferecida pelos seus artistas preferidos.

 

Os seguidores de padre Paulo Ricardo, termo comum à redes sociais, são hiperconectados à rede mundial de computadores, gostam de opinar, criticar, e rezar – alguns em latim, outros com o dom de línguas do Espírito Santo, outros com véu sobre a cabeça. A maioria desses seguidores é jovem, está preocupada com os assuntos internos do Catolicismo e reconhece no Papa Bento XVI não somente a figura de um homem religioso, mas de um intelectual que não cansam de ouvir e citar em seus Twitters, Facebooks, contas de Youtube e numerosos blogues – alguns até mesmo premiados em concursos nacionais.

 

O que é preciso para mobilizar mais de 10 mil pessoas em menos de uma semana, sem usar os média tradicionais? O segredo de padre Paulo Ricardo passa pela sua figura de liderança, mas está, principalmente, num valor comum ao mundo digital: a transparência. O que pode ser uma descoberta nova para a religião no ciberespaço já é praticado por muitas ONG's, empresas, governos e pessoas públicas.

 

Na religião, o que seria a transparência? A julgar pela mensagem do padre das redes sociais, neste caso transparência é assumir o discurso religioso sem receios do politicamente correcto. Não que assumir a sua própria identidade seja uma novidade para a religião Católica, mas, não é difícil admitir que tanta música e conselhos de auto-ajuda estavam, ultimamente, personalizando demais a mensagem Católica ao gosto do freguês.

 

Padre Paulo Ricardo, membro do Conselho Internacional de Catequese (Coincat), da Congregação para o Clero, uma espécie de Ministério do Vaticano para os Sacerdotes, puxou a tomada dos holofotes do politicamente correcto e encarou o desafio da transparência. A julgar pela defesa ferrenha dos seus milhares de seguidores e pela reacção contrária, igualmente ferrenha, de seus poucos adversários: ele acertou.

 

 

Fonte: Vida sim, aborto não!


Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

14

18
24

26
27
29


Links
Pesquisar blogue
 
blogs SAPO