«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
08
Mar 12
publicado por FireHead, às 03:14link do post | Comentar
Hoje em dia o movimento/culto New Age está infiltrado de forma subtil e silenciosa por tudo onde é lado na nossa sociedade e também nas pequenas coisas do nosso dia-a-dia. Constato que existem pessoas que dizem que acreditam em tretas como o karma ou a reencarnação, com a agravante de muitas delas também dizerem, ingenuamente, que são Católicas. Quantas e quantas vezes eu não me deparo com referências à Gnose em tantas coisas, como por exemplo nas novelas e revistas, ou mesmo no pensamento de tantas pessoas de hoje em dia cuja mente parece estar mais corrompida por fábulas e mentiras, que parecem estar cada vez mais na moda, do que sei lá o quê?
Acredito de facto que as coisas não acontecem por acaso e que tudo tem uma razão de ser. Mas isso não significa que eu acredite no karma. É completamente estúpida e ilógica a ideia de eu ter o que tenho e ser o que sou porque os pecados que eu cometi numa vida anterior assim o ditaram. Acredito na singularidade de toda a vida. Cada um de nós é único e só vivemos uma única vez, vindo depois o juízo, conforme escreveu São Paulo. Acredito na Justiça Divina e que teremos o que merecemos fruto do que fazemos nesta única vida que temos.
A doutrina da reencarnação é comum em vários sistemas religiosos de fundo gnóstico, como é o caso do budismo corrompido (é conveniente salientar que o buda histórico, o único buda que existiu, o príncipe indiano Siddharta Gautama, jamais se pronunciou acerca da reencarnação e muito menos fundou alguma religião porque nem sequer afirmou ser uma divindade), do hinduísmo e do espiritismo. Essas pseudo-religiões defendem a ideia de que cada pessoa tem várias vidas e que a reencarnação é uma forma de pagar os pecados duma vida anterior, fazendo-se cumprir assim a lei do famoso karma. Estaríamos, portanto, a expiar erros cometidos numa vida que não conhecemos e que teríamos tido. O castigo do homem seria viver neste mundo material onde existe sempre uma nova oportunidade para mudar de vida, não o fazendo agora. Para os hindus, a reencarnação pode dar-se pela transmigração do espírito até ao corpo dum animal ou duma planta. Para os espíritas, a reencarnação dá-se apenas em corpos humanos.
 

1. Se a reencarnação existe para pagarmos os erros cometidos numa vida anterior, então a vida é uma punição e não um dom. Se a vida fosse um castigo, nós quereríamos era deixá-la. No entanto ninguém deseja, em sã consciência, deixar de viver. Afinal a vida é o maior bem natural que temos ou não?

2. Quando é que começou a série de reencarnações? O primeiro homem que existiu onde estava quando pecou pela primeira vez? Ele tinha corpo ou era puro espírito? Era parte da divindade? Teria sido Deus a pecar?

3. A humanidade está em crescendo número. Se existisse reencarnação, com o passar dos séculos, a população teria de ser sempre forçosamente a mesma (tipo, se morrem 50 pessoas teriam de nascer obrigatoriamente outras 50 pessoas). De onde vieram então as pessoas excedentes que supostamente não tiveram vidas anteriores? Respondem os espíritas que Deus estaria a criar continuamente novos espíritos. Mas então, esse Deus criaria sempre novos espíritos em pecado, que precisariam sempre de reencarnar? Jamais cria Ele espíritos perfeitos?

4. Se a reencarnação fosse verdadeira, o nascer seria um mal, pois seria cair em estado de punição. Assim, todo o nascimento causar-nos-ia tristeza em vez de alegria, e a morte de alguém dar-nos-ia alegria e não o contrário. Para isso ninguém quereria ter filhos, o que teria implicações nos fluxos reencarnacionistas.

5. Os filhos têm necessariamente que ter a ver com os seus pais. Se os filhos nascessem em função dos pecados duma vida anterior, a sua relação com os seus pais seria uma perfeita casualidade, o que não faz sentido. Desse modo também a herança genética não significaria nada.

6. Se existissem vidas futuras, então qual é o sentido da nossa existência? A reencarnação apelaria então à imoralidade. É precisamente por sabermos que só vivemos uma vez e que depois da morte seremos julgados que devemos dar valor ao dom que é a vida.

7. Porque haveríamos então de honrar a memória dos nossos entes queridos que já morreram? Se existe a reencarnação, a esta hora eles estarão a viver outras vidas ou então estarão à espera de reencarnar. Não faria de todo sentido estarmos a pensar neles, visto que eles se tornarão pessoas que nada nos dizem, além de que fica o vazio de nós não os vermos jamais após a nossa morte.

8. O ciclo das reencarnações terminaria, segundo as crenças gnósticas, após o homem se tornar perfeito, como parte da divindade que ele supostamente é. Ora, querer ser Deus é a tentação da Gnose, que foi exactamente a tentação da serpente a Adão e Eva, que disse: em qualquer dia que comerdes dele (do fruto proibido) se abrirão os vossos olhos e sereis como deuses, conhecendo o bem e o mal. (Génesis: 3, 5). E a ser verdade que se terminaria o ciclo das reencarnações, a humanidade estaria por certo a esta hora a enfrentar a extinção, ou já estaria mesmo extinta, o que é um perfeito disparate.

As pessoas que se dizem Católicas e que mesmo assim acreditam no karma e na reencarnação não são Católicas de verdade porque o Cristianismo nega claramente as doutrinas gnósticas. A base da fé cristã é a esperança da ressurreição da carne (o que não significa que seja com os mesmos átomos) e que nada tem a ver com a reencarnação! A Igreja Católica é a Verdade e fora dela não existe salvação! Se existisse reencarnação, qual seria o significado da morte de Jesus? Com a reencarnação, o homem seria o redentor de si mesmo. Essa é uma tese fundamental da Gnose. Se o homem fosse divino por natureza, como é que ele pode pecar? Se, através de sucessivas reencarnações, o homem tende a atingir a perfeição, como é possível que ele não se torne perfeito de modo absoluto?

Está declarado que o homem morra uma só vez, e depois disso siga-se o juízo. (Hebreus: 9, 27)

Assim o homem, quando dormir, não ressuscitará, até que o céu seja consumido, não despertará, nem se levantará do seu sono. (Jó: 14, 12)

E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença e os seus discípulos perguntaram-lhe: "Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?" Jesus respondeu: "Nem ele nem seus pais pecaram; mas foi para se manifestarem nele as obras de Deus". (João: 9, 1-3).

Ainda hoje estarás comigo no Paraíso. (Lucas: 23, 43)

Porque prometes fazer, num futuro que não tens, aquilo que recusas fazer no tempo que tens?

Realmente a reencarnaçção é um completo disparate, sem qualquer sentido para a vida humana ... quem realmente, no "auge" do seu ser, chegaria alguma vez a ser perfeito?

Apenas somos perfeitos «em Cristo».

«Nenhum ritual ou Lei pode salvar ou justificar o homem, pois a salvação e a justiça são dons de Deus e dependem da fé em Jesus e de uma vida movida pelo Espírito. A fé leva o cristão a participar na morte e ressurreição de Jesus.
Essa participação, porém, não é automática, supõe que o cristão se deixe guiar pelo Espírito, dando o testemunho que provoca
perseguições, sofrimentos, e até mesmo a morte.» (Biblia Católica Pastoral-Paulus Editora)


«Não que eu já tenha conquistado o prémio ou que já tenha chegado à perfeição; apenas continuo a correr para o conquistar,
porque eu também fui conquistado por Jesus Cristo. Irmãos, não acho já ter alcançado o prémio, mas uma coisa faço: esqueço-me do que fica para trás e avanço para o que está adiante. Lanço-me em direcção à meta,
em vista do prémio do alto, que Deus nos chama a receber em Jesus Cristo. Portanto, todos nós que somos perfeitos, devemos ter este sentimento. E, se em alguma coisa pensais de maneira diferente, Deus vos esclarecerá. Entretanto, qualquer que seja o ponto a que chegámos, caminhemos na mesma direcção. Irmãos, sede meus imitadores e observai os que vivem de acordo com o modelo que tendes em nós. Já vos disse muitas vezes, e agora repito-o com lágrimas: há muitos que são inimigos da cruz de Cristo. O seu fim é a perdição; o seu Deus é o ventre, a sua glória está no que é vergonhoso, e os seus pensamentos em coisas da terra. A nossa cidadania, porém, está no Céu, de onde esperamos ansiosamente o Senhor Jesus Cristo como Salvador. Ele vai transformar o nosso corpo miserável, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, graças ao poder que
Ele possui de submeter a Si todas as coisas.» (Fl3,12-21)

Anónimo a 9 de Março de 2012 às 22:31

Obrigado pela participação. De facto a reencarnação é uma coisa que não faz sentido nenhum. O problema é que há muitas pessoas que parecem acreditar nisso, sendo que muitas delas até se afirmam Católicas, o que é grave...
FireHead a 10 de Março de 2012 às 00:54

Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

14

18
24

26
27
29


Links
Pesquisar blogue
 
blogs SAPO