«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
18
Mai 15
publicado por FireHead, às 10:10link do post | Comentar

images.jpg

 A Leonor Abrantes puxou recentemente o tema à baila no "post" A Criação de Fátima. Ora cá está uma oportunidade para falar sobre o dito "milagre do Sol".

Sem querer, de forma nenhuma, menosprezar a componente sociológica, religiosa e política do fenómeno de Fátima, pois tudo isso dá pano para mangas, queria apenas deixar claros alguns pontos bastante objectivos, que normalmente não são conhecidos.

1. Que os pastorinhos andavam a avisar as pessoas de que Nossa Senhora lhes prometera um sinal milagroso é facto bem sabido: por exemplo, a 13 de Setembro, certamente mais de dez mil pessoas estavam com eles na Cova da Iria, e sem discutir o que as pessoas viram nesse dia, o que é certo é que uma multidão seguiu-os na expectativa de verem sinais.

2. A previsão definitiva de um sinal milagroso foi feita pelos pastorinhos para o dia 13 de Outubro, e nesse dia, estavam 50.000 pessoas com eles; que outra razão para estarem lá senão a promessa de um grande sinal? Estiveram horas à chuva… os guarda-chuvas vêem-se nas fotografias desse dia.

3. Os pastorinhos, como dos dias 13 dos meses anteriores, trouxeram multidões para a Cova da Iria, por volta do meio-dia. Pouco depois dessa hora, por sugestão da Lúcia, as pessoas fecharam os guarda-chuvas e puseram-se todas a olhar para o céu, e isso está provado de forma documental, por várias fotografias.

4. Que não se tratou de uma alucinação colectiva é atestado pelo facto de que o poeta Afonso Lopes Vieira também viu o fenómeno a partir de sua casa em São Pedro de Moel, a menos de 40 km da Cova da Iria; ora fazendo as contas (como fez Stanley Jaki), para o fenómeno ser visto na Cova da Iria, e também em São Pedro de Moel, o fenómeno teria ocorrido pelo menos a 500 metros de altitude; se não foi visto a partir de locais mais afastados, é de supor que o fenómeno terá ocorrido na atmosfera, a uma baixa altitude (mas superior a 500 metros, aproximadamente), logo teria sido um fenómeno ATMOSFÉRICO e não astronómico; junte-se ainda o testemunho de um rapaz de seis anos, da aldeia de Alburitel, chamado Inácio Lourenço, que viu o fenómeno, estando a uns dez quilómetros da Cova da Iria.

5. A descrição do “bailar do Sol” é uma criação literária do jornalista Avelino de Almeida, do jornal “O Século”, e terá sido inspirada nos dizeres de certos populares que assistiram ao fenómeno.

6. É curioso que ninguém ligue nenhuma ao depoimento, não de populares iletrados, mas de académicos reputados: Gonçalo Xavier de Almeida Garrett, professor de Matemáticas em Coimbra, estava na Cova da Iria, juntamente com o seu filho José Maria, advogado. Ambos deixaram depoimentos escritos datados de 18 de Dezembro desse mesmo ano. José Maria usa, no seu depoimento, o termo técnico "cirros" para descrever as nuvens de alta altitude que observou no céu. Juntem-se ainda os testemunhos válidos da poetisa Maria Madalena de Martel Patrício, dado no final de 1917, e o testemunho do Barão de Alvaiázere, datado de 30 de Dezembro de 1917, nos quais ambos referem a presença de nebulosidade. E estes são apenas os mais conhecidos! O fenómeno teve inúmeras testemunhas.

7. Infelizmente, os depoimentos Almeida Garrett, valiosos porque escritos por quem tinha formação académica, nunca tiveram uma divulgação tão ampla e generalizada quanto as descrições distorcidas, como as da “dança” ou “baile” do Sol, ou pior ainda, quanto as especulações do jesuíta Pio Scatizzi, que publicou em 1947 uma das obras mais equivocadas acerca da interpretação científica do fenómeno: Fatima alla luce di fede e della scienza. Esta obra deixou para trás uma posteridade de equívocos, só porque o autor não se deu ao trabalho de investigar os factos e ouvir as testemunhas oculares.

8. O Físico e Padre beneditino Stanley Jaki (1924-2009) fez o trabalho de casa e veio a Portugal várias vezes investigar o tema, e deixou-nos com uma interpretação bastante decente do fenómeno. Segundo ele, o fenómeno é de natureza meteorológica, e é corroborado pelos depoimentos dos Almeida Garrett, e pelo testemunho do Afonso Lopes Vieira, que estava a 40 Km do local.

E então o milagre?

Ora bolas, o milagre é a previsão da data e da hora! Três pastores analfabetos prevêem a data e hora de um impressionante e raríssimo fenómeno meteorológico, resultante da conjugação improvável de nuvens do tipo cirro (a altas altitudes, feitas de cristais de gelo), nuvens de baixa altitude (feitas de partículas de água no estado líquido), e uma conjugação de ventos com a necessária orientação para moverem as partículas de água e gelo numa roda espiralada, que por sua vez gerou em simultâneo um feixe de cores cintilantes (resultantes da refracção dos raios solares nas partículas de água e gelo) e um raro efeito de “lente”, que explica a estupefacção das pessoas na Cova da Iria, que achavam que o Sol, aparentando aumentar de tamanho, se iria precipitar sobre elas..

Seria bizarro supor que as leis da Física teriam sido todas violadas, com o Sol aos saltos. É tolo imaginar, sequer, essa possibilidade. E mais tolo ainda, se tivermos em conta a falta de testemunhos de “desvios” do Sol, que teriam que ter sido detectados em vários observatórios um pouco por todo o planeta.

Como de costume, os verdadeiros milagres são sempre compatíveis com a Ciência, e parece-me que a previsão impressionante dos pastorinhos já é suficientemente improvável para se reconhecer que não existe explicação “naturalista” para essa previsão tão precisa, que é improvável quer pela precisão temporal, quer pela raridade do fenómeno meteorológico.

Fátima foi uma coisa grande que aconteceu a Portugal.
Estão enganados todos aqueles que julgam o contrário.

PS: Quando se tem preconceitos, quando se é ateu, quando se rejeita a existência de Deus, quando se rejeitam os milagres, não há nada que se possa dizer, nem mesmo a previsão precisa de um raro fenómeno meteorológico, para abalar a crença do céptico irrazoável. A pessoa que leva o cepticismo ao extremo de acreditar em coisas altamente improváveis e inexplicáveis não está disposta a considerar alternativas racionais que não se encaixem na sua visão estreita da realidade.

 

Fonte: Espectadores


Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
28
29
30

31


Links
Pesquisar blogue
 
blogs SAPO