«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
28
Jan 15
publicado por FireHead, às 06:38link do post | Comentar
Um Deus que não pede mais nada aos homens é como se não existisse. Este é o desfecho trágico de uma Igreja pós-conciliar que, esposando uma visão mundana da misericórdia, chega a um agnosticismo prático. Sim, porque se é verdade que existe um ateísmo prático, aquele que vive como se Deus não existisse, apesar de não negar explicitamente a Sua existência, existe também um agnosticismo prático, aquele que fala de um Deus que permanece desconhecido, que não fala com clareza aos homens, de quem o homem consegue aquilo que quer dependendo da ocasião, um Deus que, no fundo, existe só para beneficiá-lo, sem pedir muito.

Parece ser justamente essa a situação de grande parte do Catolicismo hodierno, concretamente vivido pela maioria dos baptizados.

Prega-se um Deus puramente misericordioso, um Deus de consolação, que não pede a conversão pessoal, que não pede uma mudança de vida. Um Deus pronto para acolher os novos rumos da sociedade, pronto para declarar que as imoralidades, se vividas com o coração, no fundo não são propriamente imorais. Os debates em torno do último sínodo dão amplo exemplo disso. O matrimónio não existe mais no nosso Ocidente decadente, então vamos apressar-nos em dizer que Deus não pede uma indissolubilidade absoluta. As pessoas não se casam mais, então vamos apressar-nos em dizer que, se no convívio houver amor sincero, isso de alguma forma compensa o sacramento... E discursos como esses, não só referentes ao matrimónio, poderíamos citar vários.

No fim das contas, podemos dizer que estamos diante de uma nova mensagem de Deus, de um Deus que não pede nada aos homens, de um Deus que não proíbe nada. Na época da revolta estava em alta o termo “é proibido proibir”; hoje este slogan habita na Igreja renovada, na Igreja do pós-Concílio. “É proibido falar de um Deus que proíbe”: parece ser este o slogan com o qual se redesenhou os quadros dos católicos comprometidos e sobretudo do clero. Querem um clero que acolha, sem recordar o dever urgente da conversão. É proibido falar de castigo, de penitência, de temor de Deus. As pessoas necessitam de consolação, dizem, precisam de recuperar a confiança na Igreja — então, por favor, não proíbam! É um refrão maçante.

Com uma borracha se apaga toda a Sagrada Escritura, todo o Evangelho e todo o Antigo Testamento. Fala-se de um Deus que não cabe na Revelação, de um Jesus emprestado do laicismo maçónico, que não corresponde a nenhuma passagem do Evangelho. Um Senhor que não indica a estrada da vida, pedindo aos homens para se afastar do pecado — mas um Senhor que se apressa em contemplar o que os homens fazem em sua embriaguez de pecado.

Mesmo os esforços da hierarquia parecem destinados a controlar apenas aquela parte da Igreja que insiste em pregar um Deus que perdoa os pecados, que castiga o pecador, para que o homem possa se arrepender e voltar a uma vida santa. O “é proibido falar de um Deus que proíbe” transformou-se em “chega de uma Igreja que proíbe”. Com efeito, ainda há algo proibido em nossas paróquias e em nossas igrejas?

É de se perguntar o que pensam, fiéis e pastores, quando na Missa é proclamada a Palavra de Deus, quando escutam os profetas que anunciam os castigos de Deus e convidam à conversão, quando no Evangelho se fala dos últimos tempos, do Juízo Final e do retorno glorioso de Cristo.

Justamente nos anos em que se fala tanto, na Igreja, do diálogo com os judeus, o Antigo Testamento é censurado por completo. É um Deus moderno que está no centro de muitas igrejas, um Deus burguês que abençoa as escolhas emancipadas dos homens, em sintonia com os tempos, um Deus que não pede mais nada para ninguém.

Mas toda essa falsidade já está castigada. Sim, porque um Deus que não te pede nada é um Deus que, de facto, não existe. Isso é verdade também no dia-a-dia das pessoas: o que não faz o homem diante de um Deus que sempre lhe dá razão?

Nós cavamos o nosso próprio túmulo.

O Catolicismo modernizado cavou a sua própria cova: pregando um Deus que é pura condescendência, transformou-se num Catolicismo agnóstico, que apesar de não negar a existência de Deus, vive independente de Deus, porque para ele Deus é desconhecido. Se Deus sempre me dá razão, se sempre abençoa as minhas escolhas, se sempre se ajusta a mim e à minha vontade, Deus desaparece da minha vida. É a tragédia da Igreja pós-conciliar, que se tornou agnóstica.

É por isso que na Igreja de hoje se fala tanto da própria Igreja e do mundo, e quase nunca de Deus.

Vivendo o Santo Natal recordamos, porém, que Deus veio ao mundo, se fez Homem, mostrou o Seu rosto, falou-nos através dos séculos no Antigo e no Novo Testamento, nos ensinou e nos pediu, e nós devemos escutá-Lo e obedecê-Lo. E a Igreja deve ser simplesmente o eco fiel do Senhor que fala.


in Radicati nella fede (Dezembro de 2014)
Traduzido por Carlos Wolkartt in Renitência

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
29
30
31


Links
Pesquisar blogue
 
blogs SAPO