«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
18
Fev 12
publicado por FireHead, às 03:48link do post | Comentar

Eu já tinha lido um excelente texto de James Hannam sobre o mito de que Cristo não existiu.  Hannam é físico e historiador e escreveu um livro excepcional que eu recomendo fortemente, chamado God's Philosopher: How Medieval World Laid out the Modern Science. Mas ontem eu li outro texto excepcional, desta vez de Carl Oslon sobre quem foi Cristo. Muitos dizem que Ele foi apenas um homem ou é apenas um guru. Olson é teólogo e autor de vários livros, um deles detona o livro Código Da Vinci.

Leiam estes dois textos para entender o Cristo histórico e as comprovações de sua existência. Aqui vou traduzir apenas partes dos dois textos.

1. James Hannam - O mito de que Cristo não existiu (escrito em 4 partes)

 
As pessoas perguntam por que não há registo de Jesus nos arquivos romanos. A resposta é que não há registos de sobreviventes romanos. Tudo o que temos são ilustres paroquiais historiadores romanos que tinham pouco interesse nas idas e vindas de cultos menores e eram muito mais preocupados com imperadores e reis. Jesus fez um impacto muito pequeno, enquanto Ele estava vivo e não havia nenhuma razão para os historiadores romanos observá-lO. O Cristianismo é mencionado pelo historiador Tácito no início do século II. Mas ele fala sobre a religião porque os cristãos tiveram a infelicidade de ser transformados em bodes expiatórios pelo imperador Nero para o grande incêndio de Roma. Tácito está interessado no Imperador, não nas vítimas.

O historiador de quem poderíamos esperar mencionar Jesus é Flávio Josefo, um judeu que escreveu uma história de seu povo até 66 dC, o que é chamado de Antiguidades Judaicas. Na verdade, Josefo menciona Jesus duas vezes, e assim Cristos Mitologistas têm que dedicar muita atenção a atacar as passagens relevantes. O seu trabalho é facilitado porque Josefo, um fariseu, provavelmente não sentiu nada além de desprezo por Jesus. Isso significou mais tarde que os cristãos tentaram "corrigir" o seu fraseado negativo.

Quando publiquei este texto, foi levado a sério, embora, em retrospecto, parece absurdo. [Mas] gostaria de convidar qualquer Cristo Mitologista para me explicar as diferenças substanciais entre a teoria dele e a teoria espúria abaixo.

Na verdade, embora há muito textos sobre Aníbal (líder de Cartago), nada disso é contemporâneo e não há nenhuma evidência arqueológica que ele tenha existido (não é surpreendente dado que os romanos arrasaram a cidade de onde ele veio). Além disso, ele não é mencionada em nenhuma fonte cartaginese, o que é incrível, dado que ele era suposto ser o seu maior líder.

No final, se Jesus não existisse, a ascensão do Cristianismo é ainda mais incrível e quase impossível de explicar.
 
 
2. Carl Olson - Três Cristos falsos - o mito, o mortal e o guru

Albert Schweitzer, nas páginas iniciais do seu famoso e influente livro 1906 A Busca do Jesus Histórico, escreveu: "E assim cada época encontrou as suas próprias ideias sobre Jesus... Não só épocas encontraram diferentes Cristos. Cada indivíduo por vezes recria a sua própria imagem."
 
Os exemplos abundam:
• Os ateus insistem que Jesus não existiu
ou que, se Ele existiu, Ele é perdido nas brumas do tempo ou usurpada por cristãos fanáticos.
• Os racionalistas tendem a retratar Jesus como um filósofo de boas ou questionáveis intenções.
Os socialistas frequentemente apresentam Jesus como um protomarxista e líder de libertação cuja luta foi, em última análise política e não religiosa ou espiritual. Outros esquerdistas pintam um retrato de Jesus organizador da comunidade ou de um agitador.
• Os habitantes do reino da Nova Era regularmente igualam Jesus ao Buda e falam de "consciência de Cristo".
• Alguns cristãos falam de um amigável Jesus, que não está interessado em adoração e outros falam que Cristo que não está interessado em caridade ou discípulos, apenas julga.
  
Alguns desses "Cristos" são apenas falsos, outros são também heréticos. "Toda heresia tem sido um esforço para estreitar a Igreja", escreveu G. K. Chesterton em St. Francisco de Assis.
Mais recentemente, a mesma ideia mitológica de Cristo foi trazida pelo Christopher Hitchens no seu livro best-seller 2007 God Is Not Great: How Religion Poisons Everything. Hitchens nega que os quatro Evangelhos têm qualquer valor histórico e diz que os relatos da vida de Jesus são "lenda". [Não é de se assustar que Histchens diga isso] considerando o quão preso Hitchens está nos textos do século XIX [em que foi  publicado muitos livros que são completamente desacreditados hoje] . Hitchens cita os argumentos de apenas um estudioso cristão dos últimos cem anos, o apologista anglicano e autor C. S. Lewis.

Hitchens desconhece ou despreza a abundância de estudos a partir de informações tanto cristãos e não cristãos que Jesus de Nazaré realmente existiu e que os Evangelhos, de facto, fornecem informações que os historiadores levam a sério como prestação de contas reais de pessoas reais fazendo coisas reais. Nenhum historiador moderno respeitável do mundo antigo nega que Jesus de Nazaré existiu, é por isso que Graham Stanton, nos Evangelhos e Jesus (Oxford University Press, 2002), escreveu: "Hoje quase todos os historiadores, sejam cristãos ou não, aceitam que Jesus existiu e que os Evangelhos contêm muitas evidências valiosas, que têm de ser ponderado e avaliado criticamente. "A quantidade de evidência textual para a existência de Jesus é impressionante, especialmente para uma antiga figura histórica". 
Que Jesus era meramente mortal é agora tarifa padrão entre aqueles que não se pode negar a evidência histórica básica, mas rejeitam a singularidade do homem de Nazaré. As variações são muitas: Jesus era apenas um profeta equivocado, um filósofo cínico, um rabino judeu, um fanático político, um guru itinerante, um agitador para a mudança social. Isto não é novo. Desde o início, alguns duvidaram ou ridicularizam a "alegação de divindade:" Eles disseram, 'Não é este Jesus, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como ele diz agora "Eu desci do céu"? '"(Jo 6:42). Judeus, romanos e outros pagãos dos primeiros séculos zombaram dos primeiros cristãos pela sua crença de que Jesus é o Filho de Deus.
Modernas variações sobre este tema são numerosas e aparecem em romances históricos apresentados, bem pesquisado e teologicamente sofisticado. historiador Leigh Teabing, um personagem principal de O Código Da Vinci, diz: "[Jesus foi] um profeta mortal... um grande e poderoso homem, mas um homem, no entanto. Um mortal." Ele e o herói do romance, Robert Langdon, declararam que Jesus foi "feito" divino no Concílio de Niceia em AD 325 e que antes desse tempo, ninguém, nem mesmo os seguidores de Jesus, acreditavam que Ele era o Filho de Deus. Não importa a evidência óbvia ao contrário (ver Mt 1:23, 3:16-17; Jo 1:1 ss, 5:18, 8:56 e ss, Jo 20, etc.).

Jesus, para dar apenas um exemplo, afirma: "Em verdade, em verdade vos digo: antes que Abraão existisse, Eu sou" (Jo 8:58).
Os judeus discutindo com Jesus entenderam as Suas palavras, "pegaram em pedras para atirar contra Ele." Que opções existem, então, para o céptico? C. S. Lewis famosa ofereceu o "trilema" de "mentiroso, Senhor, ou lunático", ao que Peter Kreeft acrescentou "professor guru."  
Algo semelhante pode ser encontrada no Cristo do movimento da Nova Era, um movimento que geralmente engloba panteísmo ou monismo, a crença de que "tudo é Um" e este é impessoal. Um exemplo excelente e recente pode ser encontrada nos escritos do prolífico Deepak Chopra, especialmente no seu livro best-seller O Terceiro Jesus (2008, ver "Chopra Cristo: A criação mítica de uma Pantevangelista Nova Era" para uma revisão detalhada e crítica). Chopra propositadamente procura primeiro remover Jesus a partir de qualquer contexto histórico e a realidade, em seguida, destaca Jesus de reflexão teológica e formulação doutrinária. O "Jesus em primeiro lugar", então, "é histórico e sabemos quase nada sobre Ele". Claro, Chopra passa a dizer coisas específicas sobre o Jesus histórico, mas ainda insiste em que Ele é completamente desconhecido. Estudos históricos reais e as provas não são consideradas ou mesmo reconhecidas, em vez disso, esta abordagem anti-histórica é um dado adquirido, como algo de um acto de fé cega. O "segundo Jesus", diz Chopra, é "o construído por teólogos e outros estudiosos." Este Jesus, Chopra insiste, "nunca existiu" . Novamente, nenhuma evidência é oferecida e não há envolvimento em tudo com a rica tradição teológica da Igreja Católica. Mas isso não é surpreendente, como Chopra, como a maioria dos novos aderentes, é anti-teológica e anti-metafísico. Ele considera a teologia inútil ou propaganda. 
O "terceiro Jesus" é o Cristo de Chopra, o epítome de um salvador subjectivo, embora Chopra não tem necessidade de ser salvo do pecado e do mal. Pelo contrário, "Jesus pretendia salvar o mundo, mostrando aos outros o caminho para a consciência de Deus". Esta jornada a "consciência de Deus" acontece através de "consciência de Cristo", a ambiguidade do que pode ser refinado e moldado como se deseja para um dos gostos pessoais. Cristo, o "guia", é um ser espiritualmente avançado que ajuda a atingir candidatos à "evolução espiritual". Ele é comparado a ou mesmo se tornou em alguma forma como o Buda. Chopra, tendo acabado convenientemente com a história e a teologia, não vê diferença entre as duas, afirmando que "o cristão que busca chegar a Deus não é diferente do budista. Ambos são dirigidos para a sua própria consciência".

Uma vez que a ênfase no gnosticismo e no movimento da Nova Era é sobre o ensino da elite, a morte de Jesus e a Sua ressurreição dos mortos são de pouca ou nenhuma importância. O resultado é que uma parte significativa dos Evangelhos, cerca de um quarto dos textos, é simplesmente ignorada ou rejeitada como irrelevante. Desde contexto histórico que não é de interesse, os detalhes específicos dos Evangelhos são ignorados ou mal interpretados descontroladamente.
 
Em última análise, este falso Cristo é parte do tema cansado, mas popular, "A religião é ruim, a espiritualidade é boa".


Esses três falsos Cristos estão enraizados em três visões defeituosas de Deus e do mundo: o ateísmo, o deísmo, e o panteísmo. Todos falham, em aspectos essenciais, a levar a sério os eventos históricos, o que é descrito nos Evangelhos e proclamado pela Igreja. A importância da história é sublinhada pelo Papa Bento XVI no primeiro volume de Jesus de Nazaré: "Pois é da essência da fé bíblica se cercar de acontecimentos reais, acontecimentos históricos. Ela não conta estórias simbolizando verdades suprahistóricas, mas se baseia na história, que teve lugar aqui na terra."

 

 

Fonte: THYSELF, O LORD


Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
14




Links
Pesquisar blogue
 
blogs SAPO