«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
24
Abr 13
publicado por FireHead, às 15:11link do post | Comentar

 


20
Abr 13
publicado por FireHead, às 06:44link do post | Comentar

 

Quando a Palavra diz "ÚNICO MEDIADOR DE DEUS" não se refere à oração como pensam os "crentes" e sim à SALVAÇÃO.


1 Timóteo 2,5: Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem que se DEU EM RESGATE POR TODOS,J esus Cristo HOMEM - άνθρωπος (em carne) foi mediador da salvação, ou seja, da NOVA ALIANÇA, como Moisés mediou os anjos para a Velha Aliança (Gálatas 3,19-20)


Intercessores de oração existem vários:

 

Jó 33,23: Se perto dele se encontrar um anjo, UM INTERCESSOR ENTRE MIL, para ensinar-lhe o que deve fazer.

Êxodo 20,3: Não terás outros DEUSES diante de mim.


Deuses = ídolos - pesel - “פֶסֶל֙


Segundo as Escrituras, quem chama os santos do céu de ÍDOLOS é porque a besta está a falar pela sua boca.


Ao confundir os santos com ídolos está-se a difamar os que moram no céu; A PALAVRA DIZ QUE A BESTA DIFAMARÁ OS SANTOS DO CÉU - Apocalipse 13,6): Ela abriu a boca para blasfemar contra Deus e amaldiçoar o seu nome e o seu tabernáculo, os que habitam nos céus.


A Bíblia nenhuma vez diz que os santos quando morrem se tornam ídolos. A PALAVRA DIZ QUE OS SANTOS QUANDO MORREM SÃO COMO ANJOS NO CÉU (Mateus 22,30).


E DEUS MANDA FAZER IMAGENS DE ANJOS (Êxodo 25,18). No Velho Testamento mostra que Josué se prostra diante de uma imagem (Josué 7,6).


publicado por FireHead, às 06:39link do post | Comentar

tags:

publicado por FireHead, às 06:31link do post | Comentar

Aos que “profetizam” o fim iminente da Igreja Católica por conta da sua recusa obstinada em “abrir-se” às novas exigências (i)morais do mundo moderno, eu recomendo a leitura destes dados recentes sobre a Comunhão Anglicana, do qual traduzo apenas o trecho mais ilustrativo:


Os episcopais já aprovaram tudo o que os “progres” exigem e ainda mais. Repassamos:


- No século XVI, o anglicanismo aceitou o clero casado.
- Em 1930, aceitaram a contracepção. A causa: o clero casado. Davam mal exemplo, tinham poucos filhos (é o que explica um historiador luterano).
- Em 1976, os episcopais aprovaram o “sacerdócio” feminino.
- Em 1989, ordenou-se a primeira bispa episcopal.
- Em 2000, aceitou-se como correcto o sexo fora do Matrimónio.
- Em 2003, ordenaram como bispo Gene Robinson, um senhor divorciado de sua esposa, com dois filhos, que vivia «maritalmente» com outro homem (em 2011 ele deixou o cargo, embora continue sendo “lobbista” no clero anglicano. Foi o primeiro bispo homossexual praticante [o primeiro bispo homossexual activo]).
- Em 2006, os episcopais admitiam o matrimónio homossexual.
- Em 2010, presumia-se ordenar em Los Angeles uma bispa lésbica praticante.
- Em 1 de Janeiro de 2011, um bispo episcopal casava (com estardalhaço dos média) duas sacerdotisas lésbicas, uma das quais a famosa militante abortista Katherine Ragsdale.


Nada disso atraiu pessoas a esta igreja. Perderam um terço de seus fiéis no século XXI: tinham 3,4 milhões em 2001, e só 1,9 em 2012.


A História dá mostras suficientes de que esta religião do bom-mocismo e da última moda não tem condições de atrair os homens que foram criados para Deus. Elas podem até crescer num momento de frenesi inicial, mas é somente isto: pirotecnia vazia, fogo de palha incapaz de perdurar ao longo de uma geração sequer. Os homens não querem ouvir a agenda ideológica do dia nas suas igrejas: se eles quisessem isso, bastar-lhes-ia ligar a televisão – que é mais prática, mais barata e mais interessante. Os homens querem ouvir falar de Deus. E um deus que dissesse uma coisa agora e daqui a pouco dissesse o seu contrário não poderia ser Deus.


Os homens querem nobreza, e não subserviência vil a todas as imoralidades que surgem a cada dia. Ortega y Gasset, n’A Rebelião das Massas, lembra que nobreza implica deveres: noblesse oblige. Os homens querem um objectivo mais alto para as suas vidas, querem um ideal pelo qual valha a pena lutar, um esforço que lhes permita impor a marca do seu carácter à sua existência: não querem viver “ao Deus-dará”, como se fossem animais guiados unicamente por instintos e cujo propósito maior é fazer o que lhes é prazeroso e fugir do que lhes aborrece. Não há nobreza em ser guiado pelo amor ao baixo-ventre; e que exemplo melhor da coroação deste ignóbil apetite do que a “religião” que vive de fazer concessões às exigências do mundo?


Alguém citou aqui no blog recentemente umas projecções de que o Brasil poderia se tornar um país com maioria protestante dentro de uns vinte anos. Com a devida vénia, eu discordo dessas previsões: julgo-as, aliás, tão completamente distantes da realidade que só poderiam sair da pena de quem não tem noção nenhuma de religião. O protestantismo no Brasil é somente vácuo do Catolicismo. Ao contrário de nações tradicionalmente protestantes, no Brasil só se tem oba-oba: oscilando entre fideísmos grosseiros (neo)pentecostais e progressismos teológicos natimortos, não há raízes no protestantismo tupiniquim.


Parece-me, ao contrário, que o Catolicismo voltará a crescer, após uma ou duas gerações perdidas. Colhendo ao acaso as notícias de hoje, recentemente se divulgou a conversão da Leah Libresco, blogueira (ex-)ateia americana que mantém o Unequally Yoked; e o Twitter do Papa Bento XVI anunciado hoje pela manhã (@Pontifex) já conta agora com mais de 144.000 seguidores. E coisas assim acontecem todos os dias, mesmo na Internet!


E quanto à graça de Deus que opera longe dos holofotes virtuais? E quanto ao território duramente conquistado passo a passo na vida quotidiana de tantos católicos (padres principalmente, mas também leigos) que não entra na rede mundial de computadores?


Próximo sábado é dia da Imaculada Conceição e, neste dia, centenas de pessoas Brasil afora irão fazer ou renovar a sua Consagração Total à Santíssima Virgem. Ela, que prometeu em Fátima que o Seu Imaculado Coração triunfaria: estamos aguardando o cumprimento desta promessa, o Reino da Virgem cujo advento é tão certo quanto a aurora. Porque não é de “novidades” que nós precisamos, mas muito pelo contrário: temos sede da Palavra de Deus que é Eterna, que Se encarnou um dia para nos salvar e que, ainda hoje, continua viva e eficaz no seio da Santa Igreja cuja missão é levar a salvação de Deus a toda criatura humana. E cada vez mais as pessoas estão percebendo estas verdades. No meio de tantas confusões, as pessoas estão (re)aprendendo a se voltar para a Igreja, Farol imóvel e seguro a guiar os navegantes pelos mares atribulados desta vida.



Fonte: Blog Carmadélio


publicado por FireHead, às 06:20link do post | Comentar

O actual Papa Francisco conduziu investigação para comprovar um dos maiores milagres eucarísticos da história recente, ocorrido em Buenos Aires em 1996.

 

Foi o chamado Milagre Eucarístico de Buenos Aires, onde uma Hóstia Consagrada tornou-se Carne e Sangue. O Cardeal Jorge Bergoglio, Arcebispo de Buenos Aires, hoje Papa Francisco, ordenou que se chamasse um fotógrafo profissional para tirar fotos do acontecimento para que os factos não se perdessem. Depois foram conduzidas pesquisas de laboratório coordenadas pelo Dr. Castañón.

 

Os Estudos mostraram que a matéria colhida da Hóstia era uma parte do ventrículo esquerdo, músculo do coração de uma pessoa com cerca de 30 anos, sangue tipo AB de uma pessoa que tivesse sofrido muito com a morte, tendo sido golpeado e espancado. Os cientistas que realizaram o exame e os estudos não sabiam que era material proveniente de uma Hóstia Consagrada, isso só lhes foi revelado após a análise, e foram surpreendidos porque haviam encontrado glóbulos vermelhos, glóbulos brancos pulsando durante a análise, como se o material tivesse sido colhido direto de um coração ainda vivo.

 

A Hóstia Consagrada tornou-se Carne e Sangue


Às 19h de 18 de Agosto de 1996, o Padre Alejandro Pezet celebrava a Santa Missa numa igreja no centro comercial de Buenos Aires. Como estava já terminando a distribuição da Sagrada Comunhão, uma mulher veio até a ele e informou que tinha encontrado uma hóstia descartada num candelabro na parte de trás da igreja. Chegando ao lugar indicado, o Padre Alejandro Pezet viu a hóstia profanada. Como ele não pudesse consumi-la, colocou-a numa tigela com água, como manda a norma local, e colocou-a no Santuário da Capela do Santíssimo Sacramento, aguardando que dissolvesse na água.

 

Na segunda-feira, 26 de Agosto, ao abrir o Tabernáculo, viu com espanto que a Hóstia havia se tornado uma substância sangrenta. Relatou o facto então ao Arcebispo local, Cardeal Dom Jorge Bergoglio, que determinou que a Hóstia fosse fotografada profissionalmente. As fotos foram tiradas em 6 de Setembro de 1996. Mostram claramente que a Hóstia, que se tornou um pedaço de Carne sangrenta, tinha aumentado consideravelmente de tamanho.

 

Análises Clínicas


Durante anos, a Hóstia permaneceu no Tabernáculo e o acontecimento foi mantido em segredo estrito. Desde que a Hóstia não sofreu decomposição visível, o Cardeal Bergoglio decidiu mandar analisá-la cientificamente.

 

Uma amostra do Tecido foi enviado para um laboratório em Buenos Aires. O laboratório relatou ter encontrado células vermelhas e brancas do sangue e do tecido de um coração humano. O laboratório também informou que a amostra de Tecido apresentava características de material humano ainda vivo, com as células pulsantes como se estivessem em um coração.

 

Testes e análises clínicas: "Não há explicação científica"


Em 1999, foi solicitado ao Dr. Ricardo Castañón Gomez que realizasse alguns testes adicionais. Em 5 de Outubro de 1999, na presença de representantes do Cardeal Bergoglio, o Dr. Castañón retirou amostras do tecido ensanguentado e enviou a Nova Iorque para análises complementares. Para não prejudicar o estudo, propositalmente não foi informado à equipa de cientistas a sua verdadeira origem.

 

O laboratório relatou que a amostra foi recebida do tecido do músculo do coração de um ser humano ainda vivo.

 

Cinco anos mais tarde (2004), o Dr. Gomez contatou o Dr. Frederic Zugibe e pediu para avaliar uma amostra de teste, novamente mantendo em sigilo a origem da amostra. Dr. Zugibe, cardiologista renomado, determinou que a matéria analisada era constituída de "carne e sangue" humanos. O médico declarou o seguinte:

"O material analisado é um fragmento do músculo cardíaco que se encontra na parede do ventrículo esquerdo, músculo é responsável pela contração do coração. O ventrículo cardíaco esquerdo bombeia sangue para todas as partes do corpo. O músculo cardíaco tinha uma condição inflamatória e um grande número de células brancas do sangue, o que indica que o coração estava vivo no momento da colheita da amostra, já que as células brancas do sangue morrem fora de um organismo vivo. Além do mais, essas células brancas do sangue haviam penetrado no tecido, o que indica ainda que o coração estava sob estresse severo, como se o proprietário tivesse sido espancado."

Evidentemente, foi uma grande surpresa para o cardiologista saber a verdadeira origem do tecido. Dois cientistas australianos, o cientista Mike Willesee e o advogado Ron Tesoriero, testemunharam os testes. Ao saberem de onde a amostra tinha sido recolhida, demonstraram grande surpresa. Racional, Mike Willesee perguntou ao médico por quanto tempo as células brancas do sangue teriam permanecido vivas se tivessem vindo de um pedaço de tecido humano que permaneceu na água. "Elas deixariam de existir em questão de minutos", disse o Dr. Zugibe. O médico foi então informado que a fonte da Amostra fora inicialmente deixada em água durante um mês e, em seguida, durante três anos num recipiente com água destilada, sendo depois retirada para análise.


Dr. Mike Willesee Zugibe declarou que não há maneira de explicar cientificamente este facto: "Como e por que uma Hóstia Consagrada pode mudar e tornar-se Carne e Sangue humanos? Permanece um mistério inexplicável para a ciência, um mistério totalmente fora da minha jurisdição".

 

 

Fonte: Christo Nihil Praeponere


publicado por FireHead, às 06:14link do post | Comentar

O relatório da Arquidiocese com a decisão de afastar o Pe. Jose Nicolas Alessio foi emitido em 6 de Fevereiro, em que o sacerdote "é excluído de todo exercício do ministério sagrado, conforme as normas que obrigam os padres que foram suspensos".


"Esta demissão não está sujeita a qualquer recurso", a arquidiocese acrescentou.


O Arcebispo de Córdoba Carlos, Jose Nanez, iniciou um processo canónico contra Alessio em 2010 com suspensão temporária das suas funções, isto se deu quando os média publicaram declarações atribuídas a ele em favor do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo.


As afirmações do padre foram feitas durante um debate nacional sobre a questão que levou à aprovação de tais “casamentos” por parte do governo argentino.


O jornal argentino El Nuevo Diario relata que, de acordo com um oficial da arquidiocese, Alessio também foi acusado de ter presidido a cerimónias de “casamentos” homossexuais, bem como “casamentos” entre divorciadas, os quais são considerados sacramentalmente inválidos pela Igreja Católica Romana.


Alessio desafiou todas as vezes em que os processos foram iniciados contra ele, chamando o Arcebispo Nanez de “fascista, retrógrado e incapaz de entender a diversidade”, e reclamando que “eles estão me penalizando por pensar de forma diferente.”


Quando a decisão foi divulgada pública em 10 de Abril, o padre lamentou que mais de 30 anos a serviço do povo de Deus não tem significado para a Igreja Católica.


Segundo o jornal La Prensa da Argentina, Alessio insistiu com o Papa Francisco para acabar com dois mil anos dos ensinamentos da Igreja Católica sobre o mal dos actos homossexuais quando o pontífice foi eleito em Março.


O jornal relata que o padre escreveu ao Papa Francisco uma carta insistindo para criar “uma comissão de especialistas nas ciências humanas e sociais para a promulgação rápida de um documento que se distancia da homofobia, que rejeita claramente a teoria que considera a homossexualidade como uma 'túmulo desordem', que valoriza a ideologia de género como uma ajuda indispensável para o respeito à diversidade, e que abre a discussão sobre toda a moral sexual da Igreja."


O pontos de vista de Alessio sobre questões de moralidade sexual diferem muito daqueles do Papa Francisco, que, como o Arcebispo de Buenos Aires chamou o “casamento” homossexual de uma “maquinação do Pai da Mentira, que procura confundir e enganar os filhos de Deus.”



Fonte: Paraclitus


publicado por FireHead, às 06:12link do post | Comentar

Tu deves encobrir todos os crimes dos teus irmãos maçons... Se fores constituído testemunha contra um irmão esteja sempre certo em protegê-lo... Pode ser perjúrio fazer isto, é verdade, mas estarás cumprindo com as tuas obrigações.


Edmond Ronayne in «Handbook of Masonry»


18
Abr 13
publicado por FireHead, às 02:38link do post | Comentar

A seguinte notícia vem de um site protestantóide como a Gospel Prime. Grande Papa Francisco!



Apenas a Igreja Católica é capaz de interpretar a Bíblia, diz Papa


A declaração é uma crítica à interpretação subjectiva, feita pelas igrejas protestantes.

 

Durante o seu discurso no Comité da Bíblia do Vaticano, que aconteceu na última sexta-feira (12), o Papa Francisco rejeitou a interpretação subjectiva da Bíblia e disse que apenas a Igreja está habilitada a interpretar correctamente as Escrituras.

 

“O Concílio lembrou com grande clareza: tudo o que está relacionado com a maneira de interpretar as Escrituras está, em última análise, sujeito ao julgamento da Igreja, que realiza o seu mandato divino e o ministério de preservar e interpretar a palavra de Deus”.

 

Esta foi uma das poucas vezes que o Papa citou o Concílio Vaticano II (1962–1965) e a Constituição ‘Dei Verbum’ que falam sobre o papel da Igreja.

 

“A Sagrada Tradição transmite a Palavra de Deus plenamente (...) Desta forma, a Igreja tira a sua certeza a respeito de todas as coisas reveladas não só nas Sagradas Escrituras. Uma como a outra devem ser aceites e veneradas com sentimentos semelhantes de piedade e respeito.”

 

É por esta Tradição que ele afirma que a interpretação da Bíblia não deve ser feita apenas de forma intelectual, devendo ser confrontada e inserida dentro dessa Tradição da igreja católica.

 

A posição de Francisco deve desagradar católicos contestatórios e os protestantes que defendem a o direito da livre interpretação das Escrituras. O que para o Papa não pode acontecer.

 

“A insuficiência de qualquer interpretação sugestiva, ou simplesmente limitada a uma análise incapaz de acolher o significado global que tem sido construído há séculos pela Tradição de todo o povo de Deus”.


12
Abr 13
publicado por FireHead, às 06:47link do post | Comentar

 

Bendito o fruto do teu ventre, disse Isabel a Maria. Jesus disse: porque pelo fruto se conhece a árvore.

 

O sangue que Jesus herdou de Nossa Senhora não pode ser impuro, ou seja, é impossível que Nossa Senhora tenha cometido qualquer pecado. Quem cometesse qualquer infracção da lei (pecado) estaria sob a maldição da lei (Deutoronómio 28:15-43). Uma das maldições do pecador seria: maldito o fruto do teu ventre (Deutoronómio 28:18). Só quem não cometesse nenhuma infracção é que receberia as bênçãos (Deutoronómio 28:1-2).

 

Bendito será o fruto do teu ventre, disse Moisés a Israel.

 

O Santo dos santos só poderia ter nascido de um ventre santo. Jesus não poderia ser Filho de uma escrava do pecado. Deus separou o filho da escrava e o filho da livre, e disse que o filho da escrava não herdaria como o da livre. Maria é o tabernáculo mais excelente e perfeito, feito pelas mãos de Deus e através do qual veio Cristo (Hebreus 9:11). Maria esmagou o dragão (demónio), a antiga serpente.

 

São Paulo chama Maria de Mãe de Deus, pois diz que Deus é nascido da mulher (Gálatas 4:4).


09
Abr 13
publicado por FireHead, às 07:38link do post | Comentar


publicado por FireHead, às 07:30link do post | Comentar

Por que os protestantes são protestantes? Porque protestam. Porque protestar faz parte da sua essência. Porque as suas seitas protestam contra a Igreja Católica, que é a Verdade. No dia em que os protestantes não estiverem mais contra a Igreja Católica, deixam de ser protestantes. Do mesmo modo que um bêbedo deixa de ser bêbedo no dia em que deixar de beber ou um ladrão deixa de ser um ladrão se deixar de roubar. Protestar é a essência do protestantismo: é isso a sua razão de existir.

 

Segundo o professor Sabatier, duma universidade protestante de Paris, no dia em que os protestantes deixarem de protestar, de se reformar, ou seja, no dia em que reconhecerem uma autoridade exterior como regra e prova de Fé, deixariam de ser protestantes e nesse momento matar-se-iam.

 

Os ídolos de verdade são, para além dos gnósticos, eles próprios, os protestantes, que em boa verdade também são gnósticos, mas com uma pretensa capa cristã. Eles é que são os ídolos porque eles rejeitam a Verdade que é a Igreja Católica. Já dizia o profeta: Têm olhos e não enxergam, têm ouvidos e não ouvem; têm língua e não falam (Ezequiel 12,2).


07
Abr 13
publicado por FireHead, às 14:51link do post | Comentar


04
Abr 13
publicado por FireHead, às 00:25link do post | Comentar

Não há dúvidas de que Jesus Cristo veio introduzir uma diferente concepção da realidade, revolucionária no bom sentido porque não pretendeu alienar a realidade tal qual ela é, mas apenas desvelar uma visão complementar da realidade. Jesus Cristo apenas nos mostrou um determinado aspecto da realidade a que a humanidade não se tinha apercebido até à sua época. A isto podemos chamar de “diferenciação cultural” (segundo o conceito de Mircea Eliade).

estrutura da maçonaria web

 

Ao contrário do que aconteceu com as tradições arcaicas presentes no Antigo Testamento (e que mais tarde foram retomadas pelo luteranismo e principalmente pelo calvinismo), Jesus Cristo reduz a validade dessas tradições arcaicas (monistas e imanentes) que influenciaram o Judaísmo do Antigo Testamento (por exemplo, o conceito de Elohim é intrusivo no Judaísmo).

 

Essa diferenciação cultural introduzida por Jesus Cristo é feita, por exemplo, através de uma certa desvalorização da ética baseada no esforço e na recompensa, ou ética do burro e da cenoura, que prevalece no Antigo Testamento e é produto de influências religiosas muito antigas ou arcaicas. O mesmo podemos dizer da oposição de Jesus Cristo em relação à Cabala: se lermos, por exemplo, As Bem-aventuranças dos Evangelhos, verificamos que a simbologia cristológica opõe-se não só à ética arcaica baseada no esforço e na recompensa, mas também à ética cabalística.

A partir do fim da Alta Idade Média surgiu na Europa uma espécie de “Cabala cristã”, que mais tarde foi representada e defendida por Jakob Böhme que inspirou Friedrich Schleiermacher e Hegel. Essa “Cabala cristã” é de conteúdo francamente gnóstico embora diferente de uma outra Cabala mais antiga, e que a lenda cabalística diz ter origem em escritos de Moisés, e com o nome de Sepher Yetzira. A “Cabala cristã” difere da Yetzira (considerada original), no sentido em que, na “Cabala cristã”, o símbolo de Kether (a Coroa) significa o “sopro divino da vontade”, e não a divindade em si mesma que assim se situa (aparentemente) para além da realidade universal — ou seja, a “Cabala cristã” deixa em aberto a transcendência de Deus para assim ser mais “digerível” pelo monoteísmo cristão, o que não acontece na Cabala original e mais antiga.

 

Os símbolos cabalísticos da Sepher Yetzira apontam a sua origem para um culto do Sol, remoto e arcaico, que existiu no próprio local do templo judaico de Jerusalém. E é esta Cabala Yetzira — e não a “cristã” — que fundamenta alguns dos princípios relevantes da Maçonaria especulativa (pelo menos até ao fim do século XIX), e que também esteve presente na Alta Idade Média com a sua promoção na Europa através dos Templários que a trouxeram do Oriente e no seguimento das Cruzadas, e que mantiveram uma relação estreita com as lojas da maçonaria operativa medieval. Por exemplo, na Cabala Yetzira, Kether e a sua manifestação material é representada pelo Sol. Esta Cabala mais antiga é panteísta e por isso exclui a transcendência divina; o seu Kether é o próprio demiurgo intramundano cuja exclusiva vontade esteve na origem da construção da Árvore da Vida cabalística.

 

Se juntarmos ao formalismo ritual maçónico identificado com a forma ritual das religiões dos mistérios; o gnosticismo invertido e panteísta que elege o demiurgo (o Grande Arquitecto do Universo) como a divindade intramundana e imanente; a influência decisiva da Cabala Yetzira na mundividência maçónica dos graus mais altos (daí a existência dos 32 graus maçónicos, que correspondem aos 32 “Caminhos do Conhecimento” do Sepher Yetzira, sendo que o grau 33 é meramente honorífico); se juntarmos tudo isto, estamos em presença de uma religião que tem a sua origem no neolítico, que recusou qualquer diferenciação cultural ao longo de milénios, e que, na minha opinião, é luciferina — a própria Cabala refere que Caim, que segundo a Bíblia é filho de Adão, é, em vez disso, filho de Eva e de Samael, a “Serpente”, que é uma entidade luciferina.

 

 

Fonte: perspectivas


03
Abr 13
publicado por FireHead, às 15:24link do post | Comentar

Muita gente pensa que a Igreja Católica é "apenas" a Igreja Católica Apostólica Romana, desconhecendo que existem católicos não romanos (como os católicos maronitas, sírios, melquitas, etc.), ou seja, católicos que não são do rito latino. Existem no total 23 igrejas autónomas no universo católico (a palavra "católico" vem do grego καθολικός [katholikos], que significa universal), sendo a católica romana, ou latina, a maior de todas elas (cerca de 98% dos católicos do mundo são católicos romanos) que tem como chefe o Bispo de Roma, i.e., o Papa, também chamado de Patriarca de Roma, que é também o chefe de toda a Igreja Católica com as suas 23 igrejas sui juris (todas elas estão em comunhão completa e subordinadas ao Papa porque têm a mesma Fé). A Igreja de Roma é a que possui a primazia sobre todas as outras porque foi fundada pelos Apóstolos Pedro e Paulo.

 

 

Actos 2,47: (...) E todos os dias acrescentava o Senhor À IGREJA aqueles que se haviam de salvar.


A Vinha de Deus (o Reino) que estava com os judeus foi entregue por Deus à Igreja Romana:


Mateus 21,38: Os lavradores (judeus), porém, vendo o filho, disseram (...) MATEMO-LO e teremos a sua herança! 
40: (...) Pois bem: quando voltar o senhor da vinha, que fará ele ÀQUELES LAVRADORES? 
41: (...) Mandará matar (...) ARRENDARÁ SUA VINHA A OUTROS LAVRADORES (...)
42: (...) A pedra rejeitada (Jesus) pelos construtores (judeus) tornou-se a pedra angular (...)
43: (...) SER-VOS-Á TIRADO O REINO DE DEUS, E SERÁ DADO A UM POVO (...)

Roma foi enxertada no lugar de Israel. São Paulo diz à Igreja Romana:

Romanos 11,17: Se alguns dos ramos foram cortados, e se TU, oliveira selvagem, FOSTE ENXERTADA EM SEU LUGAR (...)
19: PODERÁS DIZER: OS RAMOS FORAM CORTADOS PARA QUE EU FOSSE ENXERTADA. 

Por isso a Fé anunciada em todo o mundo é a Fé dos romanos e não há qualquer dúvida em relação a isso:

 

Romanos 1, 7-8: A TODOS OS QUE ESTAIS EM ROMA... dou graças a Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, PORQUE EM TODO O MUNDO É ANUNCIADA A VOSSA FÉ. 

 

A Igreja escolhida para ter a primazia sobre as restantes igrejas católicas (que juntas formam a Igreja Una Santa Católica e Apostólica) foi a Igreja Romana. As Escrituras confirmam que ela foi eleita:

 

1 Pedro 5,13: A IGREJA QUE ESTÁ EM BABILÓNIA (i.e., Roma), ELEITA.

 

A Fé dos apóstolos é romana! São Paulo não nasceu em Roma, mas sim em Tarso, que fica hoje na Turquia, e ele era romano de nascimento.

 

Actos 22,27: Vindo o comandante, perguntou-lhe: Diz-me: és tu ROMANO? Respondeu ele: SIM SOU.

 

Cristo foi claríssimo, ELE TIROU O REINO DE ISRAEL:

 

Mateus 21,43: Por isso Eu vos afirmo: o Reino de Deus ser-vos-á tirado e será entregue a uma NAÇÃO que produzirá os seus frutos.

 

Nação do grego Εθνι. Os judeus não quiseram o Evangelho:

 

João 12:37: Embora tivesse feito tantos milagres na presença deles, não acreditavam nele.

 

E perseguiam a Igreja:

 

1 Tessalonicences 2,15: AQUELES JUDEUS que mataram o Senhor Jesus, que NOS PERSEGUIRAM, que não são do agrado de Deus, que são inimigos de todos os homens.

 

É por isso que a Igreja de Deus tinha que ser em Roma e não mais Jerusalém, confirmando assim a profecia de Oséias (Oséias 2,25) citada na epistola de São Pedro (1 Pedro ,2,10)

 

Actos 23,11: Na noite seguinte, apareceu-lhe o Senhor e lhe disse: Coragem! Deste testemunho de mim em Jerusalém, assim importa também que o dês em ROMA.

 

O livro dos Actos só termina quando se chega ao destino que Deus quer para a Sua Igreja (Actos 28, 14-31).


A Fé católica é a Fé dos romanos apesar de nem todos os católicos do mundo serem católicos romanos por terem tradições culturais, históricas, teológicas, litúrgicas diferentes e estruturas e organizações territoriais separadas. Mas todos os católicos do mundo têm a mesma Fé sustentada na primazia da Igreja de Roma porque, como escreveu São Paulo, há UM SÓ SENHOR, UMA SÓ FÉ, UM SÓ BAPTISMO (Efésios 4:5).


publicado por FireHead, às 15:00link do post | Comentar

Quando se diz — e eu digo — que a maçonaria surgiu em Inglaterra, estamos a falar da Maçonaria especulativa. Melhor dizendo: a Maçonaria especulativa surgiu nas ilhas britânicas, porque a Escócia e a Irlanda tiveram desenvolvimentos diferentes da Maçonaria especulativa inglesa.

 

Convém não fazer confusões que só contribuem para obscurecer ainda mais o fenómeno maçónico. De resto, a maçonaria operativa não surgiu no século XIII — ao contrário do que está escrito neste postal. Há relatos documentados da existência dos collegiæ romanos (associações de maçons da Roma Imperial) e de lojas da maçonaria operativa desde a implantação do feudalismo (desde o tempo de Carlos Magno).

 

Não convém confundir a maçonaria operativa com a Maçonaria especulativa.

 

 

Fonte: perspectivas


02
Abr 13
publicado por FireHead, às 14:00link do post | Comentar


publicado por FireHead, às 01:14link do post | Comentar

forma dos ritos maçónicos são semelhantes aos das religiões dos mistérios que já existiam no século IV a.C., e de que há provas terem sobrevivido até à queda do império romano do ocidente. Refiro-me à forma, e não ao conteúdo desses ritos — porque tal como não foi possível saber os conteúdos exactos dos ritos das religiões dos mistérios, também parece ser difícil saber exactamente o conteúdo dos ritos maçónicos.


Qual foi a forma das religiões mistéricas?

1) A problemática religiosa estava menos associada a modelos teóricos (teologia ou filosofia) e mais associada a uma identificação extática (êxtase) do iniciado (o mistagogo) com o destino e com a acção de uma divindade concreta, ocorrida durante o culto. Ou seja, estamos em presença de mais animismo do que teologia. Portanto, existe um défice de formulação teórica.

2) A identificação pessoal com a divindade permite a interiorização do mistério que torna possível uma salvação global e uma nova vida depois da morte. Por isso, o desejo de salvação é absolutamente pessoal, no sentido de ser independente da salvação dos outros iniciados.

3) Os mitos — que não sabemos exactamente quais eram — estão relacionados com a natureza (por exemplo, a fertilidade), com a morte e com a nova vida (visão cíclica da realidade e da natureza), pelo que a identificação do iniciado refere-se menos a “pessoas divinas” e mais a processos naturais que essas “pessoas divinas” simbolizam.

4) Tendência monista dos cultos — o que não significa necessariamente monismo puro.

5) Cultos reservados exclusivamente aos iniciados.

6) A “disciplina arcana” imposta aos iniciados através de juramentos de vida ou de morte — o que levou ao quase desconhecimento dos rituais: não se sabe como os rituais dos cultos mistéricos ocorriam, quais eram os ritos, a simbologia e o seu objecto concreto — embora os mitos subjacentes aos ritos sejam mais conhecidos, e que consistiam geralmente numa qualquer história muito antiga que remonta ao neolítico.

7) O ingresso num culto mistérico não excluía a possibilidade de um iniciado continuar a cumprir os costumes da religião popular e/ou oficial da sociedade em que vivia. Os mistérios eram ofertas religiosas suplementares para gente que se considerava a si própria como possuindo um novo nível consciência — ou seja, eram ofertas religiosas para as elites.

Portanto, verificamos que a forma dos cultos mistéricos coincidem com a forma do culto maçónico, e por isso podemos dizer que a maçonaria adoptou a forma genérica das religiões dos mistérios. O problema é deduzir ou inferir, pelo menos em parte, o verdadeiro conteúdo da religiosidade maçónica.

Para isso, temos que acreditar no que a maioria das obras apologéticas acerca da maçonaria nos diz: que o gnosticismo da Antiguidade Tardia é o fundamento do conteúdo da religiosidade maçónica. Porém, sabemos que a Gnose, em geral, era dualista e não monista — o que dificulta o nosso raciocínio.

Em princípio, poderíamos ter uma forma das religiões dos mistérios e se eliminarmos a tendência monista destas e se a substituirmos por um dualismo gnóstico, podemos daí inferir as características principais do conteúdo do culto maçónico. Em alternativa, podemos optar por influências monistas do neoplatonismo e do estoicismo — o que não é, porém, compaginável com a figura do Grande Arquitecto do Universo que impera na maçonaria: nos monismos, a identidade pessoal tende a anular-se no UNO. Em princípio, o Grande Arquitecto do Universo é uma personalidade característica de um dualismo, e não de um monismo. Mas voltaremos à questão do conteúdo da religiosidade maçónica num próximo verbete.

 

 

Fonte: perspectivas


Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
19

21
22
23
25
26
27

28
29
30


Links
Pesquisar blogue
 
subscrever feeds
blogs SAPO