«Seibo no Kishi» (Cavaleiro da Imaculada)
30
Set 12
publicado por FireHead, às 21:44link do post | Comentar

ESTO ES ¡GUERRA!

"No penséis que yo he venido a traer la paz a la tierra, no he venido a traer la paz sino la guerra" (Mt X, 34)

He aquí entonces que hace dos mil años que el Divino Maestro apareció para instaurar la guerra, incluso dentro de las familias, "porque los enemigos del hombre serán las personas de su propia casa" (Mt 10,36).
Millones de mártires han dado testimonio a través de los siglos. Los pocos períodos de paz relativa no han sido mas que episodios donde la espada de los Reyes o de los caballeros han reprimido a los paganos y a las herejías. Pero esta guerra entre el bien y el mal, entre la Verdad y el error, entre fieles e infieles, entre la justicia y la injusticia, esta guerra dura ya dos mil años.
Es la guerra entre las dos ciudades, bajo los dos estandartes, San Ignacio describe el combate en sus ejercicios espirituales. Por un lado Cristo Rey, nuestro Jefe, por el otro Satanás y sus cohortes.
¡Hay que escoger! Necesariamente, porque allí está comprometida la salvación de nuestras almas. "Porque el que no está conmigo, está contra mí, (Mt. XII 30), dice el Señor. Pero después de 1960 años, la guerra ha tomado un nuevo cariz, que confunde y pierde una gran cantidad de almas.
Lucifer, por una misteriosa permisión divina, ha logrado infiltrarse "hasta las más altas cumbres" de la Iglesia jerárquica y reina, en la misma Roma hasta el trono de Pedro, según la profecía de León XIII:
"Allí, donde fue instituida la Sede de Pedro, y la Sede de la Verdad, allí han puesto el trono de la abominación en la impiedad" (Exorcismo de León XIII, súplica a San Miguel Arcángel).
Es en la misma Roma que se ha desplegado el estandarte de Lucifer y la nueva religión salida del funesto Concilio Vaticano II, y de sus no menos funestas consecuencias; la apostasía de Asís y los conciliábulos de todas las religiones. Esa es la Sede de la religión del hombre.
Mientras que la Religión de Dios, la que predicó Nuestro Señor Jesucristo, los Apóstoles, los Padres, los doctores y los santos, y el Magisterio de los Papas anteriores al Concilio ya no se encuentra mas que entre los refractarios pertenecientes a la Tradición, gracias a la herencia "de supervivencia" de Monseñor Marcel Lefebvre.
Siempre ha estado presente la guerra, la espada.
Entre la "Religión de Dios" y la "Religión del hombre". Entre los servidores de Cristo Rey, que somos nosotros y debemos seguir siéndolo, y los que proponen en Roma la religión universal del Anticristo sobre las bases de los conciliábulos de Asís.
Los dos estandartes se enfrentan. Pero algunos procuran la "inteligencia con el enemigo", las entrevistas a escondidas, cuidadosamente escondidas bajo "secreto".
En el campo de batalla de la religión del hombre, esperan infiltrar la tradición por medio de promesas falaces, replegando y guardando su estandarte… esconder la bandera… ya no combatiendo a la religión del hombre. Se iría hasta prometer creer en Dios ¡siempre que dejemos de pretender que Dios tenga derechos!
Para la religión del hombre, mantener así la inteligencia con el enemigo, no es traición.
Al contrario, es una táctica de combate de una inteligencia diabólica, que hace ganar tiempo, hace bajar los brazos, mantiene la ilusión de una paz imposible, divide a los espíritus y siembra la confusión, favorece a los blandos, salpicados de liberalismo, los temerosos, y los opone a los combatientes clarividentes y valientes.
Pero bajo el estandarte de la Religión de Dios, en la Tradición, la inteligencia con el enemigo, la religión del hombre, es infinitamente grave porque es en la cabeza donde se manifiesta y se sostiene en las presentes circunstancias.
Es en Menzingen, en Monseñor Fellay y sus allegados donde la inteligencia se cultiva con la Roma modernista, bajo la cobertura del secreto cuidadosamente conservado siendo verdad que "el pescado se pudre por la cabeza".
Y esta traición capital ya está realizada indudablemente sin la reacción de una base que la rechace y quiera mantenerse fiel a la herencia de Monseñor Lefebvre.
Por lo tanto, es urgente ver claro y prepararse para lo que vendrá.
Estas reflexiones me parecen necesarias sobre las siguientes bases: Por principio los límites de la obediencia y de la confianza. Es a partir de estas dos virtudes en que se trata de dormir a los militantes.
Enseguida acerca de las infiltraciones del enemigo en el interior de la FSSPX y por último, la manera en que estas instancias ejercen su poder.   

 

                  LOS LIMITES DE LA OBEDIENCIA

Yo no soy sedevacantista. Pero me parece que los debates que se llevan a cabo alrededor de esta cuestión nos desvían a un problema el cual nadie tiene la capacidad de resolver. Ya que nadie tiene más autoridad que el Papa para que pueda juzgarlo.
Debemos obediencia a Dios antes que a los hombres.
Supongamos que una jovencita reciba la orden de su padre de prostituirse. Es evidente que ella no le debe obediencia en esta orden. Desde luego que ella debe resistirle por todos los medios a su alcance, comprendiendo la fuga y la fuerza.
Pero sería vano para ella de preguntarse si su padre sigue siendo su padre. Aunque sea el peor criminal, sigue siendo su padre. Ella puede rezar por él pero debe resistirle porque debe obedecer a Dios primero.
¿Qué me importa si Benedicto XVI sea o no sea Papa? Me basta con ver que evidentemente, el predica la apostasía con Asís, equiparando la salvación en todas las religiones falsas con la única verdadera. Lo que predica Benedicto XVI, al igual que sus predecesores que llevó a los altares, con el ejemplo rezando en las sinagogas, los templos protestantes o las mezquitas y rehabilitando a los heréticos más notorios como Lutero y Calvino es en detrimento de miles de mártires que fueron masacrados, deshonrados y torturados.
Para mí, esto es suficiente. Debo preservar mi fe obedeciendo a Dios, resistiendo a Benedicto XVI, conforme a el calificativo de anticristos que Monseñor Lefebvre le dio a los que gobernaban a Roma en ese momento.
Y esto por todos los medios que tenga en mi poder.

publicado por FireHead, às 11:47link do post | Comentar

 

Foi no Brasil, em São Paulo. Estava lá o "bispo" Dom Manuel. Num protesto organizado por "católicos". Se o filme denegrisse a imagem de Jesus Cristo, como tantos que já existem aos pontapés, os muçulmanos também promoveriam manifestações e juntar-se-iam aos verdadeiros católicos? Fica a pergunta no ar.


29
Set 12
publicado por FireHead, às 10:06link do post | Comentar

Vivemos num tempo bizarro que é característico das grandes mudanças de paradigma, em que os ignorantes se acham no direito de censurar as ideias dos outros chamando-lhes de “ignorantes”; e em que a noção de “preconceito”, por exemplo, é usada de forma preconceituosa e irracional, como uma arma de arremesso, por parte de quem tem pavor de perder o pé em relação à realidade e à natureza das coisas. É assim, por exemplo, que aqueles que transformaram Galileu em mártir da História são exactamente os que hoje ostracizam quem se atreva a colocar racionalmente em causa o dogma do darwinismo sintético.

No entanto, bastaria que as pessoas pensassem um pouco e seguissem a lógica, para que pudessem chegar a uma conclusão: o princípio da auto-organização da matéria, mesmo que fosse só e estritamente aplicado à matéria inanimada, não faz sentido. Aquilo que nos aparece como matéria auto-organizada é um efeito (aparência), e não uma causa. As pessoas — mesmo intelectuais e filósofos de nomeada — normalmente olham para os efeitos; abstraem e generalizam; e depois estendem os efeitos às próprias causas.

 

1 O problema da coerência do princípio da auto-organização da matéria tem lugar ab initio, ou seja, no Big Bang — que é um conceito que decorre da observação empírica de dois fenómenos: o primeiro, a descoberta do movimento de expansão das galáxias por intermédio do telescópio Hubble; e o segundo, mediante a constatação empírica da existência da radiação isotrópica que sugere logicamente uma espécie de resíduo fóssil proveniente de uma “explosão” inicial. Portanto, a tese do Big Bang é bastante sólida.

 

Dizia, o problema da coerência do princípio da auto-organização da matéria começa quando o Big Bang é visto (por intelectuais, filósofos e mesmo pelos físicos) como uma “explosão” ou um processo de “desintegração” — o que é um absurdo, porque só pode “explodir” ou “desintegrar-se” aquilo que já existisse no espaço-tempo e em forma de matéria. Não é objectivamente possível que uma coisa que não exista materialmente, “expluda” ou se “desintegre”. O que podemos dizer, simbolicamente apenas, é que o Big Bang foi uma “deflagração”.

 

Por outro lado, a teoria da auto-organização da matéria parte do princípio segundo o qual a “explosão” do Big Bang transportava já consigo as partículas elementares (electrões, neutrões, protões, etc.) desde o primeiro instante do cosmo. Ou seja, sustenta-se que, com o Big Bang e no mesmo instante da “explosão”, as partículas elementares surgiram no espaço-tempo. Ora isso é outro absurdo, porque no exacto momento do Big Bang não existia, nem espaço, nem tempo, e nem espaço-tempo. Seria impossível que a matéria tivesse “surgido” no universo naquele instante.

 

O que surgiu no primeiro instante do Big Bang foi a luz e o limite universal da velocidade da luz (cone de luz), os fotões de energia, e a realidade da onda quântica pura e não-local (que “viaja” fora do cone de luz), e, por isso, totalmente desprovida de massa. Por isso, se alguém disser que a matéria se auto-organizou a partir do Big Bang, quer dizer que a matéria se auto-organizou a partir de algo que não era matéria — o que é outro absurdo.

 

Por último, a não-existência — no momento do Big Bang — do espaço-tempo (ou melhor: a existência do não-espaço, do não-tempo, e da não-matéria), anula a teoria de cordas e a teoria do Multiverso. Não só a teoria de Stephen Hawking segundo a qual o universo surgiu do Nada é apenas metafísica paupérrima, como a teoria de cordas e do Multiverso apenas atiram o problema da primeira causa para o infinito — assim como se pensava (ainda não vai muito tempo) que o universo [material] era eterno e infinito. A teoria de cordas não passa de uma teoria que pretende restabelecer essa saudosa ordem determinista e incriada desse universo infinito agora destruído pela descoberta do Big Bang.

 

2 Por maioria de razão, o princípio da auto-organização da matéria aplicado ao surgimento dos organismos vivos é um absurdo ainda maior do que o conceito de auto-organização da matéria em si mesma. Partindo do princípio segundo o qual a matéria viva processa energia, guarda informação e reproduz-se:

 

Para percebermos o conceito de “auto-organização”, deveremos recordar a Segunda Lei da Termodinâmica. Ainda assim, uma descarga energética pode fazer com que a matéria em desordem se organize espontaneamente num sistema organizado. Por exemplo: imagine-se um cano do nosso duche cheio com a água mais quente misturada com a água mais fria de uma forma heterogénea, estando as moléculas da água distribuídas de uma forma totalmente aleatória e em desordem. Ao abrirmos a torneira, a gravidade força a água a passar do seu estado caótico (do seu estado aleatório de equilíbrio) para um estado ordenado de fluxo de água morna. Este exemplo demonstra como uma força energética (como é o caso da força da gravidade) pode criar o desequilíbrio num sistema e causar uma ordem de criação espontânea.

 

Poderia um semelhante tipo de “auto-organização” criar a vida?

 

A matéria com vida tem necessariamente que conter informação (instruções) suficientemente complexa para que seja capaz de se manter e de se reproduzir. Neste ponto, a teoria da informação é-nos muito útil, porque nos permite quantificar a informação da matéria viva e da inerte em termos de bytes e bits. A enorme informação contida na matéria viva implica a existência de padrões flexíveis e irregulares, enquanto que a matéria inerte nunca sai dos padrões simples e repetitivos no que diz respeito ao conteúdo de informação. Por exemplo, um cristal de quartzo tem uma ordem simples e um conteúdo de informação escasso, e não vive. Em contraste, o ADN existe em toda a matéria viva e contém uma vasta quantidade de informação que permite aos organismos a reprodução (ou criação de réplicas) e a sua manutenção, isto é, permite a vida.

 

O ADN da mais pequena bactéria unicelular contém mais de 4 milhões de instruções (comandos de informação), que se encontram codificadas no ADN nas quatro “bases” da “escada do ADN”, com os nomes de A, G, C e T: são o alfabeto genético. Actuando como frases de um texto ou de um discurso, as instruções do ADN passam a informação necessária à formação de uma proteína ou algo semelhante que o organismo necessite para a sua reprodução ou alimentação.

 

O problema dos teóricos da “auto-organização” é o de que os mecanismos de criação de vida que eles defendem não explicam o método de geração do tipo de informação que o ADN contém. Os cenários da “auto-organização” da vida só se centram na “formação teórica da ordem” e excluem a “informação complexa”. Esses teóricos gostam de utilizar o termo “complexidade” nos seus escritos e referem-se a padrões altamente organizados e intrincados da organização da matéria, mas ao fim e ao cabo não distinguem, por exemplo, os cristais de quartzo, por um lado, de uma ameba, por outro lado.

 

A teoria da “auto-organização” defende a ideia segundo a qual as leis da física (e consequentemente as leis da química produzidas) causaram a formação da matéria viva a partir da matéria inerte.

 

Mas esta ideia encontra um grande obstáculo: que é o simples facto matemático de que a informação genética contida no mais pequeno organismo vivo ser muito maior do que o conteúdo de informação descoberto em todas as leis da física – como referiu Hubert Yockey, um dos físicos do Projecto Manhattan (1).

 

De onde nos chegou o enorme conteúdo de informação vital? Esta dificuldade fundamental não é abordada pelos defensores da teoria da “auto-organização”.

 

Mesmo que ignoremos este facto matemático fundamental, existe um outro problema: as leis da Física só produzem padrões regulares. O ADN (vida) requer padrões irregulares para a transmissão de informação através do código genético. Para usar uma analogia, o nosso idioma utiliza um código (alfabeto), e se escrevermos as letras “ABC”, de uma forma repetida ao longo de 1000 páginas, teríamos um padrão regular, altamente ordenado e previsível (que são como as produzidas pelas leis da Natureza); mas se analisarmos “Os Lusíadas”, verificamos um padrão irregular nas letras do alfabeto utilizadas, o que significa uma enorme quantidade de informação.

 

De igual modo, o ADN utiliza o seu código (A, G, C e T) numa combinação complexa e irregular, para transmitir o seu código genético. Uma lei física produz padrões regulares e previsíveis, como a lei da gravidade e a entropia produzem o fluxo de agua tépida no exemplo do tubo do duche de que se falou acima. Se o ADN tivesse origem baseada nesse tipo de lei física, a sequência do ADN seria simples e repetitiva (tipo ABCABCABCABC) e sem muita informação, e seria incapaz de transmitir milhões de instruções como o faz o mais simples dos organismos.

 

Da mesma forma que a informação contida n’Os Lusíadas não foi determinada pelos químicos utilizados na tinta da pena de Luís Vaz de Camões, assim a informação do código genético (ainda que codificada num alfabeto de 4 letras) não é determinada pelos elementos químicos desse seu alfabeto.

 

 

(1) In “Information Theory and Molecular Biology”.

 

 

Fonte: perspectivas


27
Set 12
publicado por FireHead, às 13:03link do post | Comentar
 
O amor que o Espírito me dá,
a força que tem p’ra mudar,
Quando me afasto ensina-me a caminhar,
A minha vida nas mãos de Deus quer ficar.
Sol da minha vida, quantas vezes me senti perdido
Cego na escuridão sem encontrar um caminho.

Vem Espírito de amor 
Ilumina a minha vida,
Vem encher de calor esta alma sofrida.
Vem Espírito de amor
Ilumina a minha vida,
Vem encher de calor esta alma sofrida.


O fogo que desceu do céu,
mostra como falar de Deus
Sem medo, sem vergonha eu quero gritar,
Senhor, meu Deus, a Ti sempre quero amar.
Sinto a Tua força, enches-me com a Tua paz,
Sei que estou seguro que sempre me guiarás.

Vem Espírito de amor 
Ilumina a minha vida,
Vem encher de calor esta alma sofrida.
Vem Espírito de amor
Ilumina a minha vida,
Vem encher de calor esta alma sofrida.

publicado por FireHead, às 12:55link do post | Comentar

O modernismo uma vez mais a corromper a Igreja Católica: em Ipanema, no Rio de Janeiro, um padre usa a Internet para celebrar missas, casamentos e baptizados e também para conversar com os fiéis no Facebook e noutras redes sociais, chegando inclusive a ouvir confissões dos fiéis!! O modernista padre Jordão considera mesmo que Jesus também seria fã da Internet. "Se Ele vivesse nos tempos de hoje, também utilizaria a Internet, porque é uma maneira fácil de chegar até às pessoas. É uma ferramenta impressionante e a Igreja tem de acompanhar os tempos modernos", disse o modernista.

25
Set 12
publicado por FireHead, às 18:27link do post | Comentar

 

Fora da Igreja é possível tudo, excepto a salvação. É possível ter honras, é possível ter sacramentos, é possível cantar aleluias, é possível responder amém, é possível possuir o Evangelho, é possível ter fé no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, é possível pregar; mas em nenhum lugar senão na Igreja Católica é possível encontrar a salvação.


24
Set 12
publicado por FireHead, às 05:53link do post | Comentar

 

(...) Em Novembro de 1928, quando fui ver Padre Pio pela primeira vez, havia passado poucos anos desde a minha mudança de protestante para católico, que se deu por conveniência social. Eu não tinha fé, ou ao menos entendo agora que simplesmente me iludia de tê-la. Tendo sido criado em uma família muito anti-católica e imbuída de preconceitos contra dogmas a tal grau que uma instrução rápida não poderia eliminar, eu estava sempre ávido de coisas secretas e misteriosas.

 

Encontrei um amigo que me apresentou os mistérios do espiritismo. Logo, porém, cansei dessas mensagens inconclusivas de ultratumba; eu estava com fervor no campo do ocultismo, da magia de todos os tipos, etc. Então me encontrei com um homem que declarou, com um ar de mistério, que estava em posse da única verdade: ‘teosofia’. Em seguida me tornei seu discípulo, e comecei a acumular livros com títulos tentadores e atraentes na minha mesa de cabeceira. Com segurança em mim mesmo e cheio de vaidade, usava palavras como Reencarnação, Logos, Brahma, Maia, ansiosamente esperando alguma realidade grande e nova que aconteceria.

 

Não sei porquê (creio que era antes de tudo para agradar a minha esposa), mas de vez em quando continuava recebendo os santos Sacramentos. Este era o estado de minha alma quando, pela primeira vez, ouvi falar de um Padre Capuchinho, do qual me descreveram como um crucifixo vivo, realizando milagres contínuos.

 

Crescendo em curiosidade, decidi ir e ver com os meus próprios olhos. Pus-me de joelhos no confessionário da sacristia e disse a Padre Pio que considerava a confissão uma boa instituição social e instrutiva, mas que não cria na divindade do Sacramento em absoluto. O Padre, contudo, disse com expressão de grande dor: "Heresia! Então todas as tuas Comunhões foram sacrílegas... tens que fazer uma confissão geral. Examina a tua consciência e recorda a última vez que fizeste uma boa confissão. Jesus tem sido mais misericordioso contigo do que com Judas".

 

Então, olhando por cima de minha cabeça com olhos severos, ele disse: "Louvados sejam Jesus e Maria!", e se foi à igreja para ouvir as confissões das mulheres, enquanto eu fiquei na sacristia, comovido e afectado profundamente. A minha cabeça estava girando e não conseguia me concentrar. Todavia, ouvia em minhas orelhas: "Recorda a última vez que fizeste uma boa confissão!". Com dificuldade, tomei a seguinte decisão: diria a Padre Pio que havia sido um protestante, e que mesmo após a abjuração, fui rebaptizado (condicionalmente), e todos os pecados da minha vida passada foram apagados em virtude do santo Baptismo, no entanto, para minha tranquilidade queria começar a confissão desde a minha infância.

 

Quando o Padre voltou ao confessionário da sacristia, repetiu a pergunta: "Pois, quando foi a última vez que fizeste uma boa confissão?". Respondi: "Padre, quando estava...". Porém, nesse ponto o Padre me interrompeu, dizendo: "Fizeste uma boa confissão pela última vez quando estavas regressando da tua lua de mel; deixemos todos os demais, e comecemos a partir daí!". Permaneci boquiaberto, abalado com uma letargia, e entendi que havia tocado o sobrenatural. O Padre, entretanto, não me deu tempo para reflectir. Demonstrando o seu conhecimento do meu passado inteiro, e na forma de perguntas, enumerou todas as minhas faltas com precisão e claridade... Depois que o Padre havia trazido à luz todos os meus pecados mortais, com palavras impressionantes me fez compreender a gravidade destas faltas, acrescentando em um tom de voz inesquecível: "Tens cantado um hino a Satanás, enquanto Jesus em Seu amor ardente deslocou a cabeça por ti". Então ele deu a minha penitência e me absolveu...

 

Creio não somente nos dogmas da Igreja Católica, mas também na menor das suas cerimónias... para quitar esta Fé, deve-se quitar também a minha vida.

 

 

Fonte: Católicos Tradicionais


23
Set 12
publicado por FireHead, às 02:43link do post | Comentar

O blogue Christi Fidei tem a alegria de apresentar, de forma inédita, os relatos acerca de Padre Pio no que se refere ao protestantismo.


Agradecemos novamente ao Frei Carlo Maria, do Convento di Santa Marie delle Grazie, em San Giovanni Rotondo, idealizador do projecto Casa di Riposo per frati anziani (Casa de Repouso para frades idosos) por nos presentear com tão belas histórias.

O texto é de Carlos Wolkartt.


*     *     *

Um dos factos pouco conhecidos relacionado com o Padre Pio é a sua brutal e impiedosa aversão às heresias, em particular ao protestantismo. A sua repugnância à herança de Lutero era tamanha, que em certa ocasião deixou escapar, comicamente: “Não sabeis que o protestantismo também [1] possui um fundador sobrenatural? Sabeis agora, trata-se de um anjo, e o seu nome é Lúcifer”.

É preciso salientar, ademais, que Padre Pio vivia num convento, e não tinha contacto pleno com o mundo externo, e a sua ira contra o protestantismo certamente era movida de alguma forma pela sua misticidade. Isso fica bem claro quando ele diz: “É a Virgem quem chora porque não combatemos este inimigo [o protestantismo]”.

O santo estigmatizado ainda faz duas simples e contundentes analogias – Padre Pio era excelente a fazer comparações – para advertir contra o perigo do protestantismo:

“O protestantismo é como uma nuvem negra que rapidamente cobre todo o brilho do sol. Sabeis, pois, que uma nuvem não é mais grandiosa que o sol, e que ela não o cobre para sempre. A nuvem passa pelo sol, assim como o protestantismo passará perante a Igreja, sem lhe causar dano algum, pois o que não provém do céu jamais poderá vencer o próprio céu.” [2].

“Olha para o protestantismo como um grande hospital, onde os médicos não são verdadeiros médicos, e os remédios não fazem efeito porque não possuem a substância correcta. Verás, pois, que se um moribundo adentrar nesse hospital suplicando que lhe cure, sequer ouvirá uma solução para a sua doença, ou será atendido de forma desleixada, e a morte será o seu único fim. Assim é o protestantismo: há pastores que não são pastores, e há doutrinas que não salvam, por não serem as doutrinas de Cristo. E o seu único fim [do protestante] é a morte eterna, se a misericórdia divina não contrapuser a justiça temerosa”.

Por fim, a forma radical com a qual Padre Pio tratava a heresia protestante deve ser tomada como um exemplo para nós que somos filhos da Igreja de Cristo, pois, como o próprio santo disse, “é impossível amar a Igreja e não lutar para destruir [3] esta heresia.”

_______


Notas


[1] Padre Pio usa o “também” porque, antes, referiu-se a Nosso Senhor como fundador da Igreja Católica.

[2] Aqui, Padre Pio também afirma que a Igreja é “o próprio céu”.

[3] No original: annientare [aniquilar].



22
Set 12
publicado por FireHead, às 00:07link do post | Comentar

 

Ajuda-me a dizer a verdade diante dos fortes e a não dizer mentiras para ganhar o aplauso dos fracos.

Se me dás fortuna, não me tires a razão.
Se me dás o sucesso, não me tires a humildade.

Se me dás humildade, não me tires a dignidade.
Ajuda-me, e não me deixes acusar o outro por traição, apenas por não pensar igual a mim.
Não deixes que me torne orgulhoso se triunfo, nem cair em desespero se fracasso.
Mas recorda-me que o fracasso é a experiência que precede o triunfo.
Ensina-me que perdoar é um sinal de grandeza e que a vingança é um sinal de baixeza.
Se não me deres o êxito, dá-me forças para aprender com o fracasso.
Se eu ofender as pessoas, dá-me coragem para desculpar-me e se as pessoas me ofenderem, dá-me grandeza para perdoá-las.
Senhor, se eu me esquecer de ti, nunca te esqueças de mim.


José Magalhães


20
Set 12
publicado por FireHead, às 22:26link do post | Comentar
O Beato Papa Urbano II prega a I Cruzada
O Beato Papa Urbano II prega a I Cruzada


Muitas pessoas, no Oriente e no Ocidente, consideram as Cruzadas uma mancha negra na História da Civilização Ocidental em geral, e da Igreja Católica em particular.

Citadas por ambas as partes no conflito entre os Estados Unidos e os terroristas árabes, as Cruzadas voltaram aos noticiários, aos filmes e às séries de televisão.

Propalam-se velhos mitos e reacendem-se discussões. Um bom exame da História das Cruzadas é, portanto, indispensável.

O Presidente George W. Bush foi infeliz quando chamou a guerra contra o terrorismo de “Cruzada”, tendo recebido inúmeras críticas por empregar uma palavra que seria tão ferina e ofensiva para com os muçulmanos de todo o mundo.

No entanto, os próprios árabes também fazem uso desse termo. Osama bin Laden e o Mulá Omar com frequência chamaram os norte-americanos de “cruzados”, e qualificaram os actuais conflitos como uma “Cruzada contra o Islão”.

De facto, as Cruzadas estão bem presentes na memória do mundo muçulmano.

O Ocidente, por sua vez, também não esqueceu as Cruzadas. Qualquer um que queira intimidar os católicos não demorará a jogar-lhes no rosto as Cruzadas e a Inquisição.

As Cruzadas estão bem presentes na memória do mundo muçulmano
As Cruzadas estão bem presentes na memória do mundo muçulmano


As Cruzadas são com frequência apresentadas como um exemplo clássico do mal que pode ser feito por uma religião organizada. 

O homem médio, tanto no Cairo como em Nova Iorque, tende a concordar com a ideia de que as Cruzadas foram um ataque não-provocado, cínico e insidioso, promovido por fanáticos contra o pacífico, próspero e sofisticado mundo muçulmano da época.

Isso não foi sempre assim. Na Idade Média, não havia cristão na Europa que não tivesse certeza de que as Cruzadas eram sumamente boas e justas.

Os próprios muçulmanos respeitavam os ideais das Cruzadas e a nobreza dos homens que nelas lutavam.

As coisas começaram a mudar com a Reforma Protestante. Para Martinho Lutero – que já havia rejeitado a autoridade do Papa e a doutrina sobre as indulgências – as Cruzadas não passavam de manobras de um Papado sedento de poder.

Chegava a afirmar que lutar contra os muçulmanos equivalia a lutar contra o próprio Cristo, pois Ele tinha enviado os turcos para punir a Cristandade pelos seus pecados.

Quando o sultão Suleiman, o Magnífico (1495-1566) começou a invadir a Áustria com os exércitos otomanos, Lutero mudou de opinião sobre a necessidade de lutar, mas manteve-se firme em suas críticas às Cruzadas.

As Cruzadas foram vituperadas por Lutero e distorcidas pelo Iluminismo
As Cruzadas foram vituperadas por Lutero e distorcidas pelo Iluminismo


Ao longo dos duzentos anos seguintes, as pessoas tendiam a ver as Cruzadas com olhos confessionais: os protestantes lançavam-lhes vitupérios e os católicos, elogios. Quanto a Suleiman e os seus sucessores, ambos concordavam: queriam livrar-se dele.

A actual visão a respeito das Cruzadas nasceu do Iluminismo do século XVIII. Muitos dos então chamados “filósofos”, como Voltaire, pensavam que a Cristandade medieval fora apenas uma vil superstição.

Para eles as Cruzadas foram uma migração de bárbaros devida ao fanatismo, à ganância e à luxúria.

A partir desse momento, a versão iluminista sobre as Cruzadas entrou e saiu de moda algumas vezes.

As Cruzadas receberam boa imprensa e foram consideradas como guerras de nobreza (mas não de religião) durante o Romantismo e até o início do século XX.

Depois da Segunda Guerra, contudo, a opinião geral voltou-se decisivamente contra as Cruzadas. Na esteira de Hitler, Mussolini e Estaline, os historiadores concluíram que a guerra por motivos ideológicos – seja qual for a ideologia em questão – é abominável.

Esse sentimento de aversão foi resumido por Steven Runciman nos três volumes do seu livro “A History of the Crusades” (“Uma História das Cruzadas”, 1951-1954).

Para Runciman, as Cruzadas foram actos de intolerância moralmente repugnantes praticados em nome de Deus. Os homens medievais que brandiam a cruz e marchavam rumo ao Médio Oriente eram ou perversos cínicos, ou avarentos vorazes, ou crédulos ingénuos.

Esse livro, aliás literariamente bem escrito, tornou-se logo o padrão: com esse único golpe, Runciman conseguiu definir a moderna visão popular sobre as Cruzadas.

A partir de 1970, as Cruzadas receberam a atenção de centenas de pesquisadores, que as esquadrinharam meticulosamente.

Como resultado, sabemos hoje muito mais a respeito das guerras santas da Cristandade do que jamais soubemos.

Contudo, os frutos de décadas de pesquisa histórica só lentamente vão penetrando nas mentes do grande público. Isso se deve em parte aos próprios historiadores profissionais, sempre propensos a publicar estudos que pela sua própria natureza exigem uma linguagem muito técnica, de difícil compreensão para quem não é especialista.

Verdadeira Cruzada: empresa religiosa militar convocada pelo Papa
Verdadeira Cruzada: empresa religiosa militar convocada pelo Papa


Contribui também para essa situação a clara relutância das elites contemporâneas em abandonar a visão “runcimaniana” das Cruzadas. 

Sendo assim, os livros populares sobre o tema – livros que as pessoas continuam querendo ler, apesar de tudo – tendem a repetir a conversa de Runciman.

O mesmo vale para os outros média, como o cinema e a televisão. Um exemplo é o documentário As Cruzadas, uma produção da BBC/A&E de 1995, estrelada por Terry Jones.

Para dar um certo ar de autoridade ao que mostravam, os produtores intercalaram as cenas com entrevistas a importantes historiadores das Cruzadas, que expressavam as suas opiniões sobre cada evento retratado.

O problema é que os historiadores de hoje discordam das ideias de Runciman. Mas os produtores não se importaram com isso: simplesmente editaram as gravações das entrevistas, seleccionando fragmentos e sequências que, uma vez montados, davam a impressão de que os historiadores concordavam com Runciman.

Um deles, o Dr. Jonathan Riley-Smith, veio dizer-me depois, num tom irado: “Eles me mostraram dizendo coisas nas quais eu não acredito!”

Mas afinal, qual é a verdadeira história das Cruzadas?

Como o leitor pode imaginar, trata-se de uma longa história. Mas existem muitos bons historiadores que ao longo dos últimos vinte anos vêm colocando as coisas no seu devido lugar.

Por agora, tendo em vista o bombardeio que as Cruzadas vêm recebendo actualmente, o melhor será esclarecer justamente o que as Cruzadas não foram.

Enumeramos a seguir alguns dos mitos mais comuns, dizendo por que eles são falsos.


Continua...


Thomas F. Madden, Professor de História
e Diretor do Centro de Estudos Medievais
e Renascentistas na Universidade
de Saint Louis, EUA


Autor: Thomas F. Madden

Fonte:
tags:

19
Set 12
publicado por FireHead, às 20:21link do post | Comentar

Normalmente os católicos são acusados pelas seitas protestantes de idolatria, principalmente quando o tema é a veneração dos ícones sagrados. Segundo eles o facto de se curvar seja para o que for implica automaticamente em um acto idólatra, um culto de adoração (latria) que é devido unicamente a Deus.

Os versículos usados pelos mesmos todos já conhecem. Obviamente, esses versículos são verdadeiros, autênticos e dignos de serem cumpridos como verdadeiros mandamentos de Deus, o que realmente são. Porém os mesmos são olhados fora do contexto bíblico, como eles fazem e repetem a todo momento.

Entrando então no tema proposto, temos que entender que há um outro modo de se prostar a alguém: quando se presta honras, quando alguém é digno de respeito. Para exemplificar poderíamos citar os países onde a monarquia ainda é presente ou até mesmo no Brasil Imperial, onde as pessoas se curvavam ao imperador. Óbvio que isso não é adoração, muito pelo contrário, é uma forma respeitosa mostrando uma consideração elevada pelo mesmo. Isso também acontecia com os reis citados na Bíblia que logo abaixo eu mostrarei. Querendo os protestantes ou não esse acto de respeito está presente em toda a sagrada escritura em diversos versículos. Seleccionei o maior número possível destes para que com esse estudo a diferença entre essas duas formas sejam esclarecidas de uma vez por todas.

 

Se prostrar por respeito e honra a um Anjo:

 

E, levantando David os seus olhos, viu o anjo do SENHOR, que estava entre a terra e o céu, com a sua espada desembainhada na sua mão estendida contra Jerusalém; então David e os anciãos, cobertos de sacos, se prostraram sobre os seus rostos. (1Cr 21:16 ACF)

Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do SENHOR, que estava no caminho e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se sobre a sua face. (Num 22:31 ACF)

E sucedeu que, subindo a chama do altar para o céu, o anjo do SENHOR subiu na chama do altar; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram em terra sobre seus rostos. (Juízes 13:20 ACF)

 

Se prostrar por respeito e honra a um homem:

 

Vendo, pois, Abigail a David, apressou-se, e desceu do jumento, e prostrou-se sobre o seu rosto diante de David, e se inclinou à terra. (1Sm 25:23 ACF)

E o fizeram saber ao rei, dizendo: Eis aí está o profeta Natã. E entrou à presença do rei, e prostrou-se diante dele com o rosto em terra. (1Re 1:23 ACF)

E mandou o rei Salomão, e o fizeram descer do altar; e veio, e prostrou-se perante o rei Salomão, e Salomão lhe disse: Vai para tua casa. (1Re 1:53 ACF)

Estando, pois, Obadias já em caminho, eis que Elias o encontrou; e Obadias, reconhecendo-o, prostrou-se sobre o seu rosto, e disse: És tu o meu senhor Elias? (1Re 18:7 ACF)

Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra. (2Re 2:15 ACF)

E veio Judá com os seus irmãos à casa de José, porque ele ainda estava ali; e prostraram-se diante dele em terra. (Gen 44:14 ACF)

E o rei no seu furor se levantou do banquete do vinho e passou para o jardim do palácio; e Hamã se pôs em pé, para rogar à rainha Ester pela sua vida; porque viu que já o mal lhe estava determinado pelo rei. Tornando, pois, o rei do jardim do palácio à casa do banquete do vinho, Hamã tinha caído prostrado sobre o leito em que estava Ester. Então disse o rei: Porventura quereria ele também forçar a rainha perante mim nesta casa? Saindo esta palavra da boca do rei, cobriram o rosto de Hamã. (Est 7:7-8 ACF)

E ele mesmo passou adiante deles e inclinou-se à terra sete vezes, até que chegou a seu irmão. Então Esaú correu-lhe ao encontro, e abraçou-o, e lançou-se sobre o seu pescoço, e beijou-o; e choraram. Depois levantou os seus olhos, e viu as mulheres, e os meninos, e disse: Quem são estes contigo? E ele disse: Os filhos que Deus graciosamente tem dado a teu servo. Então chegaram as servas; elas e os seus filhos, e inclinaram-se. E chegou também Lia com seus filhos, e inclinaram-se; e depois chegou José e Raquel e inclinaram-se. (Gen 33:3-7 ACF)

E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei.  (Mat 18:25-26 ACF)

Porém, depois da morte de Joiada vieram os príncipes de Judá e prostraram-se perante o rei; e o rei os ouviu. (2Cr 24:17 ACF)

Então saiu Moisés ao encontro de seu sogro, e inclinou-se, e beijou-o, e perguntaram um ao outro como estavam, e entraram na tenda. (Exo 18:7 ACF)

Depois também David se levantou, e saiu da caverna, e gritou por detrás de Saul, dizendo: Rei, meu senhor! E, olhando Saul para trás, David se inclinou com o rosto em terra, e se prostrou. (1Sm 24:8 ACF)

E Mefibosete, filho de Jónatas, o filho de Saul, veio a David, e se prostrou com o rosto por terra e inclinou-se; e disse David: Mefibosete! E ele disse: Eis aqui teu servo. (2Sm 9:6 ACF)

E a mulher tecoíta falou ao rei, e, deitando-se com o rosto em terra, se prostrou e disse: Salva-me, ó rei. (2Sm 14:4 ACF)

Então foi Joabe ao rei, e assim lho disse. Então chamou a Absalão, e ele se apresentou ao rei, e se inclinou sobre o seu rosto em terra diante do rei; e o rei beijou a Absalão. (2Sa 14:33 ACF)

Então Joabe se prostrou sobre o seu rosto em terra, e se inclinou, e agradeceu ao rei; e disse Joabe: Hoje conhece o teu servo que achei graça aos teus olhos, ó rei meu senhor, porque o rei fez segundo a palavra do teu servo. (2Sm 14:22 ACF)

E, atravessando a barca, para fazer passar a casa do rei e para fazer o que bem parecesse aos seus olhos, então Simei, filho de Gera, se prostrou diante do rei, quando ele passava o Jordão. (2Sm 19:18 ACF)

E Bate-Seba inclinou a cabeça, e se prostrou perante o rei; e disse o rei: Que tens? (1Re 1:16 ACF)

Então Bate-Seba se inclinou com o rosto em terra e se prostrou diante do rei, e disse: Viva o rei David meu senhor para sempre. (1Re 1:31 ACF)

E entrou ela, e se prostrou a seus pés, e se inclinou à terra; e tomou o seu filho e saiu. (2Re 4:37 ACF)

E David veio a Ornã; e olhou Ornã, e viu a David, e saiu da eira, e se prostrou perante David com o rosto em terra. (1Cr 21:21 ACF)

 

Os gentios se prostrariam a Jerusalém:

 

Também virão a ti, inclinando-se, os filhos dos que te oprimiram; e prostrar-se-ão às plantas dos teus pés todos os que te desprezaram; e chamar-te-ão a cidade do SENHOR, a Sião do Santo de Israel. (Is 60:14 ACF)

Assim diz o SENHOR: O trabalho do Egipto, e o comércio dos etíopes e dos sabeus, homens de alta estatura, passarão para ti, e serão teus; irão atrás de ti, virão em grilhões, e diante de ti se prostrarão; far-te-ão as suas súplicas, dizendo: Deveras Deus está em ti, e não há nenhum outro deus. (Is 45:14 ACF)

 

Josué se prostra perante um objecto santo:

 

Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do SENHOR até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças. (Jos 7:6 ACF)

 

Hebreus se prostraram ao Senhor e ao Rei:

 

Então disse David a toda a congregação: Agora louvai ao SENHOR vosso Deus. Então toda a congregação louvou ao SENHOR Deus de seus pais, e inclinaram-se, e prostraram-se perante o SENHOR, e o rei. (1Cr 29:20 ACF)

Perceba que nesta passagem mostra justamente um acto parecido, porém com sentidos e razões diferentes: eles se prostram a Deus, para adorá-l'O, mas também ao rei, para reverenciá-lo. Deus em momento algum se enfureceu com aquilo.

 

Objecções

 

João se prostrou ao anjo e foi repreendido:

 

E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar. (Apo 22:8 ACF)

Aqui perceba que claramente João deixa muito claro qual foi o acto dele: adoração. Ele se prostrou justamente para adorá-lo, e foi repreendido pelo próprio anjo:

E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus. (Apo 22:9 ACF)

O mal aqui não estava em se prostrar, mas em se prostrar para adorá-lo. Compare o acto de João com os citados acima, como 1Cr 21, 16 em que David se prostra para o anjo e não é repreendido pelo mesmo.

 

Cornélio se prostrou a Pedro e foi repreendido:

 

E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem. (Act 10:25-26 ACF)

Aqui acontece a mesma coisa: Cornélio se prostra para adorá-lo e não simplesmente reverenciá-lo, por isso foi repreendido. Compare com esse texto:

E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos. E, pedindo luz, saltou dentro e, todo trémulo, se prostrou ante Paulo e Silas. E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (Act 16:27-31 ACF)

A diferença entre esse texto e o de cima fica clara: em um houve adoração, já no outro não. Paulo e Silas não repreendem o carcereiro, pois o que ele fez foi apenas um acto de respeito, uma súplica, um pedido em desespero, longe de ser uma adoração aos mesmos.

 

Conclusão

 

Quando prestamos devida reverência aos ícones sagrados, estamos apenas mostrando um respeito pelo que eles representam e não adorando os mesmos como ídolos. Nem toda vez que nos prostramos, como ficou claro nesse texto, é um acto de adoração. Por isso a Igreja não repreende quando é realizado ao sacerdote, ao altar, a uma relíquia, ao ícone, etc.

É óbvio que certas posições, como a genuflexão, é recomendada pela Igreja para somente ser feita a Deus, em um acto de adoração. Com o tempo se criou o costume de diferenciar os dois hábitos, ou seja, dobrando-se o joelho esquerdo com sentido de respeito, obediência e submissão ao Rei, e para Deus, dobrando-se o joelho direito, significando um acto de adoração, o culto a Deus, pois, somente Deus é adorado [1]. Mas aos ícones e as pessoas importantes, devemos reverenciá-los pelo que significam para nós e pelo o que são para nós, respectivamente.

 

 

In Corde Jesu, semper,

Guilherme Welte

 

Notas:

 

[1] – Genuflexão, Paróquia de Sant’Ana, Coelho Neto – MA. Disponível em: http://paroquiadesantanacoelhoneto.blogspot.com/2011/08/genuflexao.html

ACF = Bíblia Almeira Corrigida Fiel

 


Fonte: Apologistas Católicos


16
Set 12
publicado por FireHead, às 02:50link do post | Comentar

Por São Pio X

 

Não se deve inventar a Civilização, nem se deve construir nas nuvens a nova sociedade. Ela existiu e existe: é a Civilização Cristã, é a Sociedade Católica. Não se trata senão de a instaurar e restaurar incessantemente nas suas bases naturais e divinas, contra os ataques sempre renascentes da utopia malsã, da revolta e da impiedade. Omnia instaurare in Christo!


15
Set 12
publicado por FireHead, às 16:57link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Bento XVI exorta a dizer "não à vingança"

 

O Papa exortou hoje os povos do Médio Oriente a "dizerem não à vingança" e a banirem a "violência verbal e física", apelando a que aceitem 'a sociedade plural'.

Bento XVI falava no palácio presidencial de Babada, perto de Beirute, para várias centenas de personalidades do mundo político, religioso e da cultura libanesa, entre os quais os dirigentes das comunidades muçulmanas, no segundo dia da sua visita ao Líbano.

Numa altura de grande agitação na região devido à guerra na Síria e a manifestações contra um filme realizado nos Estados Unidos e considerado ofensivo para o islão, o Papa centrou a sua intervenção nas condições religiosas e sociais que podem favorecer a paz na região.

O Papa pediu para "se suprimir a violência verbal e física", considerando que "ela é sempre um atentado à dignidade humana, a do autor e a da vítima".

"Trata-se de dizer não à vingança, de reconhecer os seus erros, aceitar as desculpas sem as procurar e enfim perdoar", sublinhou o Papa.

"Apenas então pode crescer o bom entendimento entre as culturas e as religiões, a consideração sem condescendência", disse ainda.

Bento XVI apontou o exemplo do Líbano, onde "o Cristianismo e o islão habitam o mesmo espaço há séculos" e "não é raro ver na mesma família as duas religiões".

"Se numa mesma família isso é possível, porque não o será ao nível do conjunto da sociedade?", questionou.

Por seu turno, o presidente libanês, Michel Sleimane, único chefe de Estado cristão no mundo árabe, pediu que no Médio Oriente a democracia "assegure aos diversos componentes do mundo árabe (...) uma participação na vida política e na gestão dos assuntos públicos independentemente da sua proporção numérica, na base da cidadania e da diversidade no seio da unidade".

O Papa defendeu que "a especificidade do Médio Oriente se encontra na mistura secular de diversos componentes", considerando que, neste contexto, "praticar e viver livremente a sua religião sem colocar em risco a sua vida e a sua liberdade deve ser possível a quem quer que seja".

"As diferenças culturais, sociais, religiosas devem conduzir a que se viva um novo tipo de fraternidade. Este diálogo só é possível com a consciência de que existem valores comuns a todas as grandes culturas", adiantou.

 

 

Fonte: Diário de Notícias

 

PS. Ecumenismo?


publicado por FireHead, às 00:20link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Líbano é um "exemplo" para o Médio Oriente

À chegada a Beirute para uma visita de três dias, Bento XVI saudou a convivência entre comunidades religiosas no Líbano, qualificando aquele país como "um exemplo" para o Médio Oriente.

"A convivência feliz, e bem libanesa, deve provar a todo o Médio Oriente e ao resto do mundo que no interior de uma nação pode haver colaboração entre as diferentes igrejas", garantiu o Papa num discurso à chegada ao aeroporto de Beirute.

"Este equilíbrio é delicado. Ameaça por vezes quebrar-se quando é submetido a pressões muitas vezes partidárias e estranhas à harmonia libanesa", acrescentou Bento XVI.

No avião que o levou ao Líbano, o chefe da Igreja Católica elogiou a Primavera Árabe que levou ao derrube dos regimes ditatoriais na Tunísia, Egipto e Líbia. "A Primavera Árabe é uma coisa positiva, um desejo de mais democracia, de liberdade, de cooperação, de uma identidade árabe renovada", afirmou Bento XVI.



Fonte: Diário de Notícias


PS. Demasiado politicamente correcto, o Papa...


12
Set 12
publicado por FireHead, às 19:47link do post | Comentar

Pope says Cardinal Martini's love for Bible guided his life

By Catholic News Service

MILAN, Italy (CNS) -- The late Cardinal Carlo Maria Martini was a "generous and faithful pastor of the church," who not only studied the Bible, "but loved it intensely and made it the light of his life," Pope Benedict XVI said.

In a message read at Cardinal Martini's funeral Sept. 3 in Milan, where the cardinal had served as archbishop from 1979-2002, the pope said the Jesuit cardinal's love of Scripture enabled him "to teach believers and those searching for truth that God's word is the only word worthy of being listened to, accepted and followed."

Cardinal Martini, a renowned biblical scholar, died Aug. 31 at the Jesuit retirement center near Milan after a long battle with Parkinson's disease. His body was transferred to the city's cathedral Sept. 1 where, according to the Archdiocese of Milan, 200,000 people filed past his body to pay their respects.

Pope Benedict's message to mourners, read at the funeral by Cardinal Angelo Comastri, praised Cardinal Martini's "great openness" and willingness to engage in dialogue with everyone, to explain the reasons for his faith and hope.

Cardinal Martini's funeral followed the Ambrosian rite, a liturgical tradition particular to Milan. Cardinal Angelo Scola of Milan presided and Jesuit Father Adolfo Nicolas, superior general of the Jesuits, was among the concelebrants.

The archdiocese said 6,000 people filled the cathedral for the Mass, while another 15,000 watched on big screens placed in the square outside the church.

The mourners inside the cathedral included dozens of cardinals and bishops, hundreds of priests, and representatives of Orthodox and other Christian churches, as well as the Jewish and Muslim communities. Cardinal Martini's sister and two nephews were in the front pew, along with Italian Prime Minister Mario Monti and other government officials.

In his homily, Cardinal Scola said Cardinal Martini's life and ministry were marked by his expertise in biblical studies, "attention to the contemporary reality, willingness to welcome everyone, sensitivity to ecumenical and interreligious dialogue, care for the poor and the neediest and the search for paths of reconciliation for the good of the church and civil society."


11
Set 12
publicado por FireHead, às 15:39link do post | Comentar

Não custa nada colocar sempre algo sobre esse assunto já batido, mas que ocupa a imaginação fantasiosa de alguns protestantes sobre as imagens. Alguns chegam a considerar a única coisa da Igreja que se deve criticar (até o momento em que são respondidos e começam a procurar outras desculpas para o protesto), e que, fora isso, seriam iguais a eles. Esse trecho, mencionado no livro Trivium, é uma refutação a algumas alegações de Tyndale. Bom proveito:

"Imagens são livros necessários aos sem instrução e são bons livros também aos instruídos. Pois todas as palavras são apenas imagens que representam coisas que o escritor ou orador concebe em sua mente, tanto quanto a figura de uma coisa emoldurada pela imaginação, e deste modo concebido na mente, é tão somente a imagem representativa da coisa mesma sobre a qual o homem pensou.

Por exemplo, se eu conto um episódio da vida de um amigo meu (ou, se alguém narra um episódio da Bíblia, como a morte de Jesus), a imaginação que tenho dele em minha mente não é ele mesmo, mas uma imagem que o representa. E quando eu o nomeio, seu nome não é nem a figura que dele tenho em minha imaginação, mas apenas a imagem que apresenta a você a imaginação da minha mente.

Se eu estiver muito longe de você para lhe contar tal episódio, então será a escrita, e não o nome mesmo, uma imagem representativa do nome. E, no entanto, todos esses nomes falados e todas essas palavras escritas não são signos ou imagens naturais, mas signos construídos por consentimento e convenção entre os homens para significar as coisas, enquanto as imagens pintadas, esculpidas ou entalhadas podem ser tão bem trabalhadas, tão fiéis à verdade e ao objectivo, que, naturalmente, acabam representando-o muito mais eficazmente do que o nome falado ou escrito. Pois aquele que nunca tenha ouvido o nome do meu amigo, mas que tenha visto um seu retrato, se um dia a vir em pessoa, o reconhecerá através da imagem trazida à memória." (Confutation of Tundale's Answers)

 

 

RIOS, Jonadabe. Thomas More e a importância das imagens.

 

Fonte: Apologistas Católicos


10
Set 12
publicado por FireHead, às 00:53link do post | Comentar | Ver comentários (1)

 
A Bíblia lança em rosto aos pagãos, o facto de eles divinizarem o mundo e a natureza; de buscarem, por detrás da natureza e dos seus fenómenos, forças míticas e mágicas. Das estrelas, do fogo, da luz e do ar fazem divindades. Deixaram-se enganar. A fascinação da criação levou-os a divinizar as criaturas. Neste sentido, a Bíblia é a primeira "iluminista". De um certo modo, Ela "desencanta" o mundo; despoja-o do seu poder mágico e mítico, "desmitologiza" o mundo, desdiviniza-o.
Teremos consciência de que, sem esta desdivinização do mundo, a moderna ciência não teria sido possível? Só a fé de que o mundo foi criado, de que ele não é divino, mas sim finito e "contingente" (...), que não é necessário e podia não ter existido – só isto é que tornou possível que o mundo e tudo o que nele existe fosse estudado por si mesmo. O que encontramos são realidades finitas e criadas e não deuses ou seres divinos. Este desencantamento da natureza tem também algo penoso: detrás da árvore, ou da nascente já não se escondem ninfas nem divindades, forças míticas e mágicas, mas apenas o que Deus nelas colocou, e que a razão humana pode investigar. Por esta razão diz o livro da Sabedoria que Deus tudo criou "com medida, número e peso". Este é o fundamento de toda a investigação científica da realidade.



Christoph Schönborn in Acaso ou Vontade de Deus?
tags:

09
Set 12
publicado por FireHead, às 15:46link do post | Comentar

... por irem contra a Igreja. D. José Policarpo disse, no 7º Simpósio Nacional do Clero, em Fátima, que "é preocupante saber de sacerdotes que, acerca de aspectos vitais, ousam dizer: 'a Igreja pensa que, mas eu penso de outro modo'" e lamentou que eles se afastam da Verdade da Igreja e acabam por desencaminhar os fiéis. As fontes do sacerdócio "têm de ser as da própria Igreja: a Palavra de Deus, o Magistério autêntico, a fidelidade à Tradição". A tradição latina engloba a obediência, a pobreza, a renúncia aos bens materiais e a castidade. Sublinhou também, por fim, que "a título de exemplo, com tristeza e preocupação, as correntes actuais de reinterpretação do Magistério do Concílio Vaticano II", considerando como "desvios da Verdade todas as suas leituras que não sejam motivadas por uma sã hermenêutica".

Acho piada o Cardeal Patriarca criticar os sacerdotes por contrariarem a Igreja. E o que é que podemos dizer do próprio Cardeal Patriarca? O Papa Bento XVI deu um grande passo no retorno completo à plena ordem litúrgica, liberando a Missa de sempre (rezada em latim) para todos os sacerdotes que a queiram rezar através do Motu Proprio Summorum Pontificum, que é ainda hoje e até ao momento tão pouco acatado e desprezado pelos bispos modernistas, entre eles o próprio D. José Policarpo! Logo, esse representante máximo da Igreja Católica portuguesa, que em 2003 transformou o santuário de Fátima "num centro onde todas as religiões do mundo irão reunir-se e prestar homenagem aos seus vários deuses (...) e diferentes religiões possam misturar-se...", apelando claramente ao ecumenismo e à tolerância para com as restantes "religiões" - o que vai explicitamente contra o dogma de que fora da Igreja Católica não existe salvação -, também contraria a Igreja! Os modernistas da Igreja, os progres, são todos completamente tolerantes e convictos ecuménicos, são intolerantes à milenar Missa de sempre da Igreja e são simultaneamente tolerantes e intolerantes em nome das "conquistas" do Concílio Vaticano II.

Portanto recapitulemos: o próprio Cardeal Patriarca contraria a Igreja, pois contraria claramente o Papa - o Pastor Universal, o chefe da Igreja, o sucessor de São Pedro -, logo também tem que ser criticado! Enfim, como urgia o grande Santo Padre Pio X, caridade mesmo para com "aqueles que se nos opõe e persegue, vistos, talvez, como piores do que realmente são"...

07
Set 12
publicado por FireHead, às 07:31link do post | Comentar

Tabela comparativa entre Jesus e Muhammad (Maomé):


Características

Jesus
x
Muhammad (Maomé)

1. Combate

Nunca lutou
x
Lutou diversas vezes

2. Chamado

Quando ouviu a voz de Deus, foi ao deserto jejuar e fortalecer-Se
x
Quando ouviu Alá (através de Gabriel), tentou matar-se por algum tempo

3. Identidade

Agia como Deus
x
Confessava ser homem

4. Matança

Nunca matou
x
Matou diversas pessoas

5. Casamento

Nunca se casou
x
Casou-se com cerca de 20 mulheres

6. Ministério

Foi comissionado directamente por Deus
x
Foi comissionado por um anjo (Gabriel)

7. Milagres

Realizou diversos, inclusive ressuscitou mortos
x
O único milagre que ele alegou foi o próprio Alcorão em si

8. Profecias

Há dezenas de profecias sobre a Sua vinda
x
Não há menção à sua vinda

9. Sacrifício

Voluntariamente Se sacrificou pelos outros
x
Para escapar, matou outras pessoas

10. Pecado

Nunca pecou
x
Era pecador

11. Escravos

Nunca possuiu
x
Possuiu diversos

12. Nascimento

Teve um nascimento milagroso e único
x
Nascimento normal

13. Mulheres

Tratou-as iguais aos homens
x
Disse que elas têm apenas metade da capacidade mental de um homem

14. Paz

Foi chamado de ‘Príncipe da Paz’
x
Declarou guerra aos descrentes

15. Discípulos

Os Seus discípulos morreram pela Sua fé
x
Os meus discípulos mataram (e matam) pela sua fé

16. Inimigos

Perdoou os que O mataram
x
Determinou a morte de diversos inimigos

17. Inimigos - 2

Ordenou que amássemos os que nos perseguem
x
Ordenou que trouxessem terror ao coração dos inimigos de Alá

 

18. Deus

Indicou ser o próprio Deus encarnado
x
Disse que Alá é o único Deus

19. Satanás

Repreendia e expulsava Satanás
x
Foi vítima de magia e Satanás pôs palavras na sua boca em certa ocasião

19. Oração

Disse: “E, quando orardes, não sejais como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos”.
x
Disse que, passar na frente de alguém que ora anula a oração dele, que se você olhar para cima durante a oração ficará cego, que se não se prostrar adequadamente a sua oração não será aceite, que se você orar mais alto que o líder (Imã) Alá transformará o seu rosto na cara de um burro.

20. Últimas palavras

“Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem”. “Está consumado”
x
“Que Alá amaldiçoe Judeus e Cristãos por construírem locais de adoração no túmulo dos profetas”

Todas as características aqui apresentadas NÃO são oriundas de 'achismos'. Cada evidência foi extraída de fontes pertinentes de cada um. As referências a Jesus foram extraídas da Bíblia Sagrada e as referências a Muhammad foram extraídas do Alcorão e dos Hadiths.

O islamismo é uma falsa religião? Responda você agora...

 


Fonte: Confraria de São João Baptista


06
Set 12
publicado por FireHead, às 14:28link do post | Comentar

 

Sumo Pontífice,

Sacerdote Magno,

Príncipe dos Bispos,

Herdeiros dos Apóstolos,

pelo Primado de Abel,

pelo Governo de Noé,

Ordem de Melquisedeque,

pela Dignidade de Araão,

Autoridade de Moisés,

Juridisção de Samuel,

pelo Poder de Pedro,

pela UNÇÃO DE CRISTO,

a quem são entregues as chaves do Reino dos Céus,

e a quem são confiadas as ovelhas de Cristo.


Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14

17
18
21

26
28



Links
Pesquisar blogue
 
subscrever feeds
blogs SAPO